Central Única de Trabalhadores

Um ano depois do assassinato, atos ocorrem nesta quinta para exigir quem mandou matar Marielle

13 março, quarta-feira, 2019 às 5:57 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Justiça para Marielle

Justiça para Marielle

Às vésperas do dia 14 de março, data que marca o primeiro  ano do assassinato da vereadora Marielle Franco e de Anderson Gomes, que dirigia o carro em que foram emboscados, diversos movimentos sociais convocam atos, vigílias e debates pelo país para homenageá-la e exigir justiça e respostas quanto aos mandantes do crime.

Sob a pergunta que ainda não foi respondida, “quem mandou matar Marielle?” e com o mote “Marielle Vive”, as manifestações ocorrerão em pelo menos 25 cidades brasileiras, para reafirmar as bandeiras da vereadora que representava a luta de negros, mulheres, populações periféricas e LGBTs.

Desde o dia 8 de março, quando a resistência e a luta pelas causas das mulheres foram celebradas no “Dia Internacional da Mulher”, marcado fortemente pela repúdio aos retrocessos sociais representados pelo presidente Jair Bolsonaro, movimentos por várias partes do mundo vêm prestando homenagem ao legado de Marielle.

Marielle presente1

Neste dia 14, cerca de 15 cidades no exterior organizam atos, entre elas, Melbourne, na Austrália; Buenos Aires, na Argentina; Madri, na Espanha e Washington, nos Estados Unidos.

Clique aqui para conferir as homenagens fora do país.

O Psol organiza ainda para o dia 18 de março, uma sessão solene no Plenário da Câmara dos Deputados em homenagem a Marielle e Anderson. Em suas redes sociais, a deputada Talíria Petrone (Psol-RJ) justificou a importância das manifestações diante da falta de respostas após um ano do crime.

“A importante descoberta dos que apertaram o gatilho nesse crime político não vai nos tirar das ruas no dia 14. O Estado – com sangue nas mãos – tem que responder que grupos estão por trás dessa execução”, descreveu a parlamentar.

Em Porto Alegre haverá ato, às 18h, na Esquina Democrática.

 

 

 

Fonte: Rede Brasil Atual (RBA) e Brasil de Fato