Central Única de Trabalhadores

Uampa, Fegam e Conam divulgam nota em solidariedade à ocupação Lanceiros Negros

16 junho, sexta-feira, 2017 às 1:15 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Lanceiros despejados

Lanceiros despejados

A UAMPA – União das Associações de Moradores de Porto Alegre, a FEGAM – Federação Gaúcha das Associações de Moradores e a CONAM – Confederação Nacional das Associações de Moradores vêm se manifestar em solidariedade aos companheiros do MLB e da Ocupação Lanceiros Negros, violentamente despejados na noite de 14 de junho.

A ação Brigada Militar, do Governador Sartori e da justiça do Rio Grande do Sul foi violenta de diversas formas: A primeira por utilizar um aparato de guerra, mesmo antes de esgotar todas possibilidades de diálogo. A segunda por conduzir a operação com o claro objetivo de reprimir moradores, apoiares e instituições presentes que visavam mediar e evitar que houvesse violência contra dezenas de mulheres e crianças que se encontravam no prédio. A terceira por ameaçar, agredir e prender o Deputado Jeferson Fernandes, Presidente da Comissão de Direitos Humanos, lideranças e moradores que questionaram a prática da polícia e do Oficial de Justiça. Diversas imagens e vídeos comprovam o abuso da força e a falta de respeito com aqueles que lutavam por seus direitos.

O movimento comunitário também repudia a criminalização da luta pelo direito à cidade e à moradia. Infelizmente o despejo desta ocupação, simbólica, no centro de Porto Alegre, reabre o debate sobre o direito à cidade. Qual a função social da cidade e da propriedade? Quem tem direito de morar no centro da cidade?

Entendemos que a violência no despejo da Lanceiros Negros é o retrato da inversão de prioridades do Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Ao priorizar à violência, em relação ao diálogo, reproduz a lógica de um Governo que não respeita o funcionalismo, sucateia os serviços públicos, privatiza e extingue fundações e secretarias que cumpriam papel estratégico no desenvolvimento do Estado.

O movimento comunitário seguirá mobilizado e denunciando despejos absurdos e abusivos como este. Encaminharemos esta nota, conjuntamente com outros relatos, ao Ministério Público, Defensoria Pública, para a Aliança Internacional de Habitantes e a Campanha Internacional Despejo Zero. Neste sentido também conclamamos entidades e movimentos pelo Direito à Cidade e contra os Despejos para ampla mobilização e defesa das ocupações e comunidades contra outras tentativas de despejos e remoções forçadas. Somente com ampla mobilização e articulação do povo poderemos resistir e defender nosso direito a morar com dignidade.

Porto Alegre, 15 de junho de 2017.
Direções da UAMPA, FEGAM e CONAM

 

 

Fonte: Uama, Fegam e Conam