Central Única dos Trabalhadores

Trabalhadores na Ford do ABC aprovam adesão ao PPE e demissões são canceladas

18 setembro, sexta-feira, 2015 às 10:11 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Aprovado o PPE na Ford

Em assembleia na manhã desta sexta-feira (18), os trabalhadores na Ford aprovaram o acordo de adesão ao Programa de Proteção ao Emprego, o PPE, negociado entre o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e a empresa. Com a aprovação, as 203 demissões anunciadas pela montadora estão canceladas e a greve chega ao fim após nove dias de mobilização.

“A disposição de luta, a garra e o apoio esmagador de todos os trabalhadores fizeram a greve dar certo. Isso deu forças para a negociação encontrar caminhos para salvar o que é mais precioso aos trabalhadores, que é o emprego”, afirmou o presidente do Sindicato, Rafael Marques.

O acordo do PPE prevê a redução de jornada de trabalho e de salário em 20% a partir de janeiro, sendo que o Fundo de Amparo ao Trabalhador, o FAT, complementa a metade dessa redução. A duração do acordo será de seis meses, podendo ser prorrogado por mais seis.

“A maior contribuição da categoria é preservar os empregos para retomar a economia e fazer o Brasil voltar a crescer”, destacou Rafael.

A PLR, o INPC e o abono estão mantidos conforme o acordo. Os trabalhadores que estão em layoff (suspensão temporária do contrato de trabalho) continuarão e, no ano que vem, mais 150 trabalhadores entram em layoff.

É a sétima empresa a aprovar o acordo de adesão ao PPE na base dos Metalúrgicos do ABC. Já estão com os empregos protegidos os companheiros na Rassini, Trefilação União, Mercedes, Volks e Ford, em São Bernardo; Pricol, antiga Melling, e Prensas Schuler, em Diadema.

O PPE foi anunciado pela presidenta Dilma Rousseff no dia 6 de julho após quatro anos de luta dos trabalhadores e está em tramitação no Congresso. O objetivo é preservar os empregos durante períodos de retração da atividade econômica e, com isso, contribuir para a recuperação da economia ao manter o vínculo empregatício.

 

Fonte: Sindicato dos Metalúrgicos do ABC