Central Única de Trabalhadores

Trabalhadores do campo e da cidade marcham unidos na Avenida Paulista

16 outubro, sexta-feira, 2015 às 9:18 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Paulista2

Com um grande ato na Avenida Paulista, em São Paulo, que abriga as sedes da Fiesp e da Petrobras, bancários, petroleiros, pequenos agricultores e trabalhadores da indústria da alimentação uniram-se na defesa da Petrobras como patrimônio brasileiro e na luta contra a exploração.

Após concentração no vão livre do Masp, no início da tarde de sexta-feira 16, cerca de 5 mil manifestantes saíram em caminhada até a sede da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), onde pararam para mandar recado às maiores empresas de carne do mundo, as brasileiras JBS, Friboi e BRF (fusão da Sadia e da Perdigão), que apesar dos lucros bilionários oferecem baixos salários aos funcionários (em média o salário mínimo) e condições degradantes de trabalho.

A marcha continuou até a sede da Petrobras, onde outro aviso foi dado: “Defender a Petrobras é defender o Brasil”, gritaram em coro os participantes, contra o projeto de privatização da estatal. Em seguida, voltaram ao Masp, onde o ato foi encerrado por volta das 17h.

Paulista3

Fotos: galeria da manifestação
Vídeo: reportagem sobre o ato

Os bancários, em greve desde o dia 6 contra proposta rebaixada da Fenaban (federação dos bancos), também mandaram seu recado. “O mote da nossa campanha este ano é ‘exploração não tem perdão’. Não vamos aceitar 5,5% de reajuste de um setor que lucrou 36,5% a mais só no primeiro semestre [comparação com o mesmo período de 2014]”, deixou claro a presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira, em discurso durante a passeata.

“O sistema financeiro no Brasil não só explora os bancários, mas também a população com os juros exorbitantes que cobra. A taxa do cheque especial é mais de 200% ao ano, a do cartão de crédito está mais de 400% ao ano. O trabalhador compra uma televisão parcelada e no final paga por três aparelhos”, disse do alto do carro som para os manifestantes e a população.

> Greve paralisa 60 mil em 828 locais no 11º dia

Juvandia deixou claro que a luta dos bancários é também por um setor bancário que cumpra sua função social de financiar o crescimento do país, o oposto do que fazem hoje. “Eles sufocam a população com altos juros e tarifas, quando deveriam facilitar o crédito. Temos de cobrar que os bancos ajudem a economia a crescer, que tirem o país da crise. Nossa greve está forte e vai continuar forte enquanto os bancos não valorizarem os trabalhadores.”

Paulista1

Setor da alimentação

O agronegócio e o uso do agrotóxico na agricultura também foram criticados pelos trabalhadores do campo, representados pelo Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e pelo MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra). Eles defendem a agricultura familiar como alternativa saudável para a mesa dos brasileiros. “Queremos que alimentos sem veneno cheguem às mesas dos brasileiros”, disse Romário Rosseto, do MPA.

“Ao mesmo tempo em que pegam financiamento do BNDES, a JBS e a Friboi fecham frigoríficos e geram desemprego no país. Pagam salário mínimo aos trabalhadores e não respeitam os sindicatos”, denunciou o presidente da Contac (Confederação Brasileira dos Trabalhadores na Indústria da Alimentação), Siderley de Oliveira.

Siderley

A coordenadora do Sindpetro Unificado São Paulo, Cibele Vieira, criticou a mídia que esconde os interesses por trás dos ataques à Petrobras, e apontou como principal representante desses interesses o PL 131 do senador José Serra (PSDB-SP). “Eles querem vender nosso petróleo, mas estamos fortes na defesa da estatal.”

Paulista4

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de São Paulo e CUT Nacional