Central Única de Trabalhadores

Sul21 – Céli Pinto: Organizados para matar

5 dezembro, quarta-feira, 2018 às 7:51 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Armas1

Armas1

Sul21 – Entre segunda e hoje a Brigada Militar, força pública do Rio Grande do Sul,  esteve envolvida em duas operações onde morreram  11 pessoas, 7 depois de um assalto a banco, sendo que 6 assaltantes e um refém, e 4 outros que estavam estacionados em um carro frente a um banco e fugiram quando as forças policiais chegaram. Os dois eventos aconteceram em pequenas cidades do interior do Estado.

Hoje pela manhã um coronel da BM em entrevista a uma emissora de radio local jubilava-se do sucesso das ações policiais. O referido coronel afirmava que o êxito das operações era decorrência de dois fatores: o serviço de inteligência da Brigada Militar e as novas condições materiais que a corporação contava, após uma grande doação de carros blindados e armas  e munição proporcionada por um conjunto de empresários gaúchos.

Não vejo razão alguma para júbilo. O que estes eventos mostram são três forças organizadas para matar, o que só podem multiplicar as mortes se continuarem com esta forma de agir e pensar. A primeira força organizada para matar é o crime organizado que impera no país. Sou absolutamente contra a ideia de que “bandido bom é bandido morto”, mas, também, não defendo o crime nem criminosos. O que me parece ser um fracasso, entretanto, é a guerra contra o crime ligado ao trafico de drogas e armas.

A violência inaudita em que transformou este país muito devido ao chamado crime organizado tem também  arraigadas raízes no sistema carcerário medieval e nas próprias forças policiais que agem muito longe do que poderia ser chamado de inteligência. Não sou especialista e não tenho soluções, mas tenho uma forte intuição que não é matando 4 jovens entre 15 e 19 anos que segundo o próprio coronel entrevistado tinham passagens pela FASE e polícias por crimes menores, que resolveremos essa violência assustadora.

E aí aparece a questão da inteligência policial. Deixando a morte dos 4 jovens de lado, me pergunto que serviço de inteligência policial no mundo ordenaria seus efetivos a perseguirem, com rajadas de balas, carros de bandidos contendo reféns no porta mala? Mesmo que as balas que mataram o funcionário do Banco do Brasil não tenham partido das armas dos policiais, não se pode admitir que a  inteligência policial  entenda que é razoável  atirar na direção de um carro com reféns.  Assim como o crime organizado, parece que nossas forças policiais estão organizadas para matar.

Finalmente temos a intervenção da sociedade civil, empresários organizados para munir a Brigada Militar de armas, munição e carros.  De novo me pergunto, onde encontraremos este tipo de empresário no mundo? Nada contra os empresários, tomemos dois acima de  quaisquer suspeitas. Onde Steve Job e Bill Gates colocaram suas vultuosas doações?  Em armas? Em munições? Pois, para os nossos empresários tão afeitos aos exemplos dos irmãos do norte não ocorreu mandar toda a massa de recursos nas escolas públicas o estado. Talvez no futuro, se isto tivesse sido feito, os 4 jovens não  estariam mortos  pela polícia.

Em suma estamos todos organizados para matar:  os assaltantes, a polícia, a sociedade civil. Nada de bom pode vir daí. Quem viver e sobreviver verá.

 

 

Céli Pinto é professora titular do Departamento de História da UFRGS.

 

 

Fonte: Sul21