Central Única dos Trabalhadores

Sob governo Bolsonaro, ataques virtuais a jornalistas e veículos triplicam em 2020

14 janeiro, quinta-feira, 2021 às 11:16 am

Comentários    Print Friendly and PDF

Digitando

Digitando

Casos de ataques a jornalistas triplicaram em 2020 em relação ao ano anterior. Uma forma de intimidação ainda pouco observada pela categoria são as chamadas restrições à internet. Esse tipo de agressão cresceu 140%, segundo dados preliminares da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji). Os números foram contabilizados até novembro.

Tais restrições incluem desde o encerramento ou suspensão arbitrária de contas ou perfis de mídia social, ataques de hackers, ciberameaças, bloqueio direcionado de páginas da web e bloqueio de usuários de contas institucionais, oficiais ou de autoridades. Geralmente, veículos e jornalistas atingidos são de pequeno e médio porte em todo o país.

Apenas no segundo semestre de 2020, outras seis investidas similares atingiram o Blog do Magno Morais, de Pernambuco; o portal de notícias Roma News, do Pará, e a Associação Brasileira de Imprensa (ABI), além do portal Outras Palavras, que tem como parceiros o Joio do Trigo e o De Olho nos Ruralistas, que também sofreram com hackers.

Nos primeiros dias de 2021, o site da Repórter Brasil foi alvo de uma série de ataques cibernéticos nos últimos dias, o que chegou a deixá-lo fora do ar em dois dias. Segundo a organização, os invasores ameaçam continuar a ação, caso algumas reportagens não sejam apagadas.

Um e-mail anônimo foi enviado no dia 6 de janeiro: "Como devem ter percebido vcs passaram por alguns problemas tecnicos na ultima data. Para que isso nao ocorra novamente removam as materias nas pastas de 2003, 2004, 2005 [sic]".

"A situação não é apenas um flagrante desrespeito à liberdade de expressão e à liberdade de imprensa, mas também possível crime de constrangimento ilegal, previsto no artigo 146 do Código Penal", afirmou a organização, em nota.

Na manhã do dia 7, a sede da organização passou por uma tentativa de invasão física, com tentativa de arrombamento do portão de sua sede. A ação foi impedida por vizinhos. O portão passa por reparos e a segurança foi reforçada.

Fenaj condena ataques cibernéticos

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) e o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo (SJSP) divulgaram uma nota condenando ataques e as ameaças ao veículo.

Para a FENAJ, os ataques cibernéticos ao site da Repórter Brasil, seguidos de chantagem e ameaças, são gravíssimos e exigem uma ação imediata, por parte das Polícias Civil e Federal, para identificação dos responsáveis.

“É a primeira vez que temos no Brasil um ataque cibernético com objetivo assumido de censura, portanto, assumidamente um ataque à liberdade de imprensa. A desfaçatez do ou dos responsáveis exige o repúdio de toda sociedade e uma resposta à altura das autoridades competentes”, diz trecho do documento.

Para o SJSP, as ameaças e ataques, que chegaram à uma tentativa de invasão física à sede da organização, são inconcebíveis em uma sociedade democrática e não podem ser tolerados.

“O SJSP coloca-se à disposição dos jornalistas da Repórter Brasil para somar-se às medidas judiciais já adotadas e solidariza-se com a organização que mantém o site jornalístico”, disse a entidade em nota.

 

Fonte: CUT Brasil com informações do Congresso em Foco