Central Única dos Trabalhadores

Sinpro-RS debate aulas presenciais no ensino privado em mediação no Ministério Público nesta quarta

26 agosto, quarta-feira, 2020 às 9:26 am

Comentários    Print Friendly and PDF

Alunos3

Alunos3

Será realizada nesta quarta-feira (26), às 11 horas, uma audiência mediada pelo Ministério Público Estadual para discutir as condições de retorno às aulas presenciais na rede privada de ensino.

Participarão da audiência o Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinpro/RS), a Promotoria do Núcleo de Mediação, a Promotoria de Infância, Juventude, Educação, Família e Sucessões, a Secretaria de Estado da Educação, a Secretaria de Estado da Saúde e o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Privado do RS (Sinepe/RS).

Conforme Cecília Farias, diretora do Sinpro/RS, a audiência se deu a partir de pedido Sinpro/RS provocado pelo anúncio feito pelo Governo do Estado de retomada das aulas presenciais a partir de 31 de agosto, começando pela educação infantil (creches).

“O Sinpro/RS busca a parceria do Ministério Público para que essa volta ocorra, independente da data de retorno, em um momento e em condições de segurança para estudantes e professores. Quando o número de mortes e contaminações no estado pelo novo coronavírus esteja em curva decrescente”, explica a professora Cecília Farias, diretora do Sinpro/RS.

“Assim como defendemos mais vagas na rede hospitalar e nas UTIs, além de uma política de testagem ampla”, conclui.

Novo calendário

Já nesta terça-feira (25), o governador recuou em sua posição e indicou um novo calendário, durante reunião com representantes de associações de municípios, adiando o retorno para a primeira quinzena de setembro. Novo calendário deve ser anunciado nesta quinta-feira (27).

O governador sofreu resistência ao reinício em agosto de 9 em cada 10 prefeitos. Nas semanas posteriores ao anúncio, sindicatos de professores das redes pública e privada, além de pais e mães e especialistas se posicionaram contra a medida. Houve, inclusive protestos diante do Palácio Piratini.

 

Fonte: Extra Classe