Central Única de Trabalhadores

Seminário da Fetrafi-RS debate comunicação dos bancários em tempos de resistência

17 agosto, sábado, 2019 às 2:37 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Juberlei falando

Juberlei falando

Comunicação em tempos de resistência foi o tema do seminário que a Fetrafi-RS e a Verdeperto Comunicação promoveram nesta sexta-feira (16) para jornalistas e dirigentes de sindicatos de bancários filiados. O evento contou com mais de 50 pessoas e ocorreu na sede da Federação, em Porto Alegre.

O diretor de Comunicação da Fetrafi-RS, Juberlei Bacelo, abriu o seminário pela manhã e enfatizou que as redes sociais estão sendo usadas para atacar as democracias e que é preciso compreender o papel do movimento sindical dentro do contexto político-social. "Precisamos fazer a disputa de idéias para que a gente possa ganhar pelo menos a consciência da categoria de que é preciso fortalecer os sindicatos e unificar o discurso", destacou.

O secretário de comunicação da CUT-RS, Ademir Wiederkehr falou sobre as iniciativas da Central para melhorar a comunicação com os trabalhadores e a sociedade, investindo nas ferramentas digitais.Ele também denunciou o bloqueio da mídia tradicional, citando a cobertura da reforma da Previdência. "Nunca vi um controle dos meios de comunicação tão grande quanto hoje, não fazem o contraponto. É por isso que precisamos potencializar as mídias alternativas", disse.

Ademir na Fetrafi (3)

Informação e Desinformação

No painel "Informação e Desinformação, a jornalista e pesquisadora Marília Gehrke ressaltou os desafios para acabar com a "desinformação" e não "fake news", como são chamadas popularmente as mentiras que circulam na internet. "Falar em fake news é associar o jornalismo à mentira e isso é um tiro no pé. Então, a gente deve chamar de desinformação, que é um fenômeno maior", afirmou.

Segundo ela, as principais fontes de informação da população, hoje em da, são o Facebook, o WhatsApp e o YouTube, meios onde também há muita desinformação. "O problema é que essas redes sociais têm um efeito bolha, a gente só se comunica com quem está na mesma bolha. A gente recebe só informações de um lado", destacou.

O jornalista Marco Weissheimer, do Portal Sul21, falou da importância de ouvir os diversos grupos de discursos presentes na sociedade e de fortalecer a mídia alternativa. "Temos uma percepção de um Brasil que já não existe mais. O país é outro e temos um desconhecimento com relação a ele. Pensar novas formas de comunicação, exige que conheçamos esta nova realidade", destacou.

Seminário da Fetrafi (3)

Weissheimer apresentou, também, uma pesquisa que identificou os grupos de eleitores do presidente Jair Bolsonaro, e quais os argumentos usados para ganhar esses votos durante a eleição. Para ele, é preciso entender o que essas pessoas precisam e pensar mais na distribuição, circulação, recepção e percepção do conteúdo produzido pela esquerda brasileira. 

Comunicação unificada

Na parte da tarde, a jornalista Aline Adolphs, da Verdeperto Comunicação, apresentou dados de uma pesquisa realizada junto aos sindicatos de bancários sobre como é feita a comunicação pelas entidades. Entre outras conclusões, descobriu-se que menos da metade dos que responderam à pesquisa (29 sindicatos) têm site e poucos têm redes sociais.

O desenvolvedor Web Marcelo Almeida apresentou exemplos de sites responsivos e falou sobre a importância de criar layouts que se comportem bem em todos os dispositivos (computador, notebook, tablets e celulares). "Muitas pessoas abrem links para os portais a partir das redes sociais e pelo celular. Por isso, é importante que os sites estejam preparados para receber esse tráfego", concluiu.

Ederson (2)

Encaminhamentos

Os participantes do seminário fizeram sugestões para melhorias na comunicação da categoria. Entre elas, a criação de um portal dos bancários que dê destaque às notícias nacionais, estaduais e do interior. Outra ideia foi a criação de um cronograma de oficinas de formação na área.

A diretora da Verdeperto, Zaira Machado, destacou que o momento é de somar forças e não de dividir. As assessorias de comunicação dos sindicatos serão fundamentais, segundo ela, na construção de alternativas para a comunicação das entidades com toda a sociedade.

 

Fonte: CUT-RS com Fetrafi-RS