Central Única de Trabalhadores

Reprovação ao governo aumenta e maioria não confia em Bolsonaro, aponta Ibope

27 junho, quinta-feira, 2019 às 5:04 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Bozo pra baixo1

Bozo pra baixo1

Aumentou o número de brasileiros que reprovam o governo de extrema direita de Jair Bolsonaro (PSL). Pesquisa Ibope divulgada na tarde desta quinta-feira (27) mostra que, em apenas dois meses de gestão, o governo perdeu três pontos na avaliação positiva e ganhou cinco pontos entre os que reprovam.

De abril a junho, aumentou de 27% para 32% o número de brasileiros que consideram o governo ruim/péssimo. Já entre os que avaliam a gestão de Bolsonaro como ótimo/bom caiu de 35% para 32%.

Se forem considerados os percentuais de brasileiros que avaliam o governo como regular (32%) e ruim ou péssimo (32%), o total dos descontentes com a gestão de Bolsonaro chega a 64% em apenas seis meses. Além disso, a  maioria não confia nele.

Aumentou de 45% para 51% o total dos entrevistados que dizem não confiar no presidente, ainda segundo o IBOPE. Outros 46% afirmaram que confiam.

Lula é melhor que Bolsonaro

Para efeito de comparação, em igual período do segundo mandato, em junho de 2007, 50% da população brasileira avaliava o então presidente Lula como  ótimo/bom.

E no final do governo, tinha 80% de avaliação positiva, segundo a mesma pesquisa. A confiança em Lula, em junho de 2007, era de 61% ante os 46% do atual presidente.

Os números da pesquisa

Avaliação governo

Ótimo/bom: 32%;

Regular: 32%;

Ruim/péssimo: 32%;

Não sabe/não respondeu: 3%.

Maneira de governar

Aprova: 46%

Desaprova: 48%

Não sabe/Não respondeu: 5%

Confiança no presidente

Confia: 46%

Não confia: 51%

Não sabe/não respondeu: 3%

Perspectivas sobre o restante do governo

Ótimo/bom: 39%

Regular: 27%

Ruim/péssimo: 29%

Não sabe/não respondeu: 6%

A pesquisa, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), foi realizada entre os dias 20 e 23 de junho e ouviu 2 mil pessoas em 126 municípios.

 

 

Fonte: CUT Nacional com informações da RBA