Central Única de Trabalhadores

Promessa do governo Temer fracassa e emprego formal despenca com reforma trabalhista

18 julho, quarta-feira, 2018 às 12:04 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Carteiras amontoadas1

Carteiras amontoadas1

Após o golpe de 2016, que derrubou Dilma Rousseff, presidenta eleita democraticamente por mais de 54 milhões de votos, o governo ilegítimo de Michel Temer (MDB-SP) e seus aliados golpistas no Congresso Nacional, assim como os analistas econômicos da mídia corporativa, lançaram a narrativa de que a reforma trabalhista acabaria com o desemprego no País e faria a economia voltar a crescer. Tentaram fazer os brasileiros e brasileiras acreditarem que a perda de direitos e a criação de vagas de trabalho intermitentes abririam um milhão de vagas de trabalho em apenas um ano.

Mas o que se viu até o momento foi o fechamento de 3 milhões de vagas formais durante a crise econômica provocada pelo ilegítimo Temer e o número de desempregados no País chega a 13,2 milhões de pessoas. Se comparado com 2014, o número de desempregados cresceu 94,2%.

Além disso, a taxa de subutilização da força de trabalho, que inclui os desempregados, pessoas que gostariam e precisam trabalhar e aqueles que desistiram de procurar emprego depois de se frustarem com o insucesso, bateu recorde histórico no primeiro trimestre de 2018. Ao todo, são 27,7 milhões de pessoas com força de trabalho subutilizada no Brasil pós-golpe.

E agora os economistas do mercado se dizem ‘decepcionados’ com a lenta retomada da economia e prevêem que os milhões de postos de trabalho perdidos, que deixaram milhões de pais e mães de família sem emprego, só devem ser retomados em 10 anos. Esta é a avaliação dos economistas da LCA Consultores, que fizeram um levantamento para o jornal Folha de São Paulo sobre o mercado de trabalho.

Ao analisarem os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), os economistas perceberam uma forte desaceleração da economia e da geração de emprego, em especial nos últimos três meses. Se for mantido os índices atuais, o mercado de trabalho pode fechar 2018 com um saldo líquido de apenas 220 mil vagas com carteira – apenas 20% do prometido pelos golpistas no final do ano passado, quando aprovaram a reforma trabalhista.

No último trimestre, descontando as flutuações típicas de cada mês, o saldo de empregos tem demonstrado forte desaceleração na geração de postos de trabalho formais: em março foram 27,3 mil, em abril 16,7 mil e em maio apenas 9,8 mil.

A situação é tão crítica que os analistas ouvidos pelo jornal dizem “não acharem impossível encerrar o ano com demissões líquidas”. Ou seja, um saldo negativo no nível de emprego.

Contribui ainda para esses números as previsões de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB ) para 2018, que indicavam alta de 2,7%, mas hoje as projeções não passam de 1,5%, o que reflete na expectativa de crescimento do mercado de trabalho.

Para o presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, os índices de desemprego não são nenhuma novidade. A reforma trabalhista, segundo ele, não foi feita para gerar empregos, mas sim para extinguir direitos e legalizar a informalidade e o bico.

“E os resultados apresentados demonstram que sempre falamos a verdade, quando alertamos que o golpe não foi contra a Dilma, foi contra o povo brasileiro, contra os direitos da classe trabalhadora”, diz o dirigente sindical.

Com o usurpador Temer, diz Vagner, o que temos são taxas recordes de desemprego e geração de trabalho precário e informal.

“O retrato do Brasil pós-golpe é miséria e desesperança. As filas quilométricas em busca de emprego voltaram a ser realidade no País que chegou atingir o pleno emprego nos governos de Lula e Dilma.”

Vagner lembra que é preciso dar um basta nessa situação e só com o povo mobilizado nas ruas, no dia 10 de Agosto, Dia do Basta, promovido pela CUT e demais centrais sindicais, é possível fazer com que o país comece a sair da crise.

Retrato da crise

A fila gigantesca que se formou nesta segunda-feira (16), no Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo, quando uma multidão tomou conta das ruas em busca de uma das 1880 vagas oferecidas, é um reflexo da nefasta reforma trabalhista e da crise sem precedentes proporcionada pelo ilegítimo Temer e seus aliados golpistas.

Reprodução UGT

Saiba mais

10 de agosto é o Dia do Basta! Confira orientações da direção da CUT

Política de preços da Petrobras afunda a economia. Queda em maio foi de 3,34%

 

Fonte: Rosely Rocha, especial para Portal CUT Nacional