Central Única dos Trabalhadores

Professores e estudantes defendem mobilização para aprovar Fundeb no Senado em live da CUT-RS

30 julho, quinta-feira, 2020 às 7:35 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Live do Fundeb2

Live do Fundeb2

A mobilização no Senado para a aprovação do novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) foi defendida pelos dirigentes que representam os trabalhadores e as trabalhadores em educação e os estudantes, durante live promovida pela CUT-RS nesta quarta-feira (29). Houve transmissão simultânea nas páginas da CUT-RS e CUT Brasil, bem como de vários sindicatos que começaram a fazer publicação cruzada.

O debate teve a participação da presidente do CPERS Sindicato, Helenir Aguiar Schürer, do presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Heleno Araújo, da coordenadora-geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Rio Grande (Sinterg), Suzane Barros; e da presidenta da União Estadual dos Estudantes (UEE-RS), Gerusa Pena.

A mediação foi feita pela secretária de Movimentos Sociais da CUT-RS e presidente do Sindicato dos Servidores Municipais (Sindiserv) de Caxias do Sul, Silvana Piroli.

Não podemos baixar a guarda

Criado em janeiro de 2007, durante o segundo mandato do presidente Lula, com vigência até 31 de dezembro de 2020, o Fundeb é composto por recursos públicos das três esferas (municipal, estadual e federal) e subsidia os investimentos do ensino fundamental e médio da educação básica.

Após forte pressão nas redes sociais, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do novo Fundeb foi aprovada no último dia 22 na Câmara dos Deputados.  No primeiro turno, o placar foi de 499 votos a 7 e, no segundo turno, de 492 a 6. Agora precisa ser votada e aprovada também em dois turnos no Senado.  

Segundo a presidente do CPERS, ainda é muito cedo para se comemorar. “Os parlamentares que apostam na privatização da escola pública estarão novamente defendendo seus interesses e os de seus financiadores. Portanto, não podemos baixar a guarda”, avaliou Helenir. 

“O governo não queria aprovar o Fundeb agora, mas apenas em 2022, o que significaria a exclusão de milhares de crianças e adolescentes das salas de aula e do acesso ao ensino já em 2021. É claro que o que estava por trás desse interesse da bancada governista é o desmonte da educação pública e a implantação do sistema de vouchers ou cotas em escolas privadas. Mas o bom senso falou mais alto”, disse Helenir.

Pela aprovação do Fundeb

Bolsonaro é inimigo dos professores e dos estudantes

Para o presidente da CNTE, “o que nós conquistamos na Câmara é muito importante, pois amplia a participação da União nos recursos para a educação, exigindo uma participação federal de até 23% até 2026”.

“Mesmo com essa vitória, o Rodrigo Maia já sinaliza mais um ataque aos docentes. Ele pretende encaminhar ao plenário do Congresso um projeto de lei que retira o custo aluno do cálculo anual do piso do magistério, fazendo com que a correção seja apenas pela inflação”, alertou Heleno.

A presidente do Sinterg salientou que o governo Bolsonaro não desistiu de um “apagão” no financiamento da educação pública. “Em 2022 temos eleição e Bolsonaro, que é inimigo dos professores e dos estudantes, gostaria de fazer o debate sobre o Fundeb neste período para poder arrebanhar votos e se manter no poder. Por sorte, conseguimos antecipar a discussão e agora vamos pressionar os três senadores gaúchos, para que votem de acordo com os interesses da população brasileira. Não adianta ficar só no discurso, é preciso que mostrem claramente de que lado estão”, disparou Suzane.

A presidente da União Estadual dos Estudantes (UEE-RS) destacou que “os inimigos da educação não passarão por cima da vontade dos estudantes. Consideramos que valorizar a educação, seja nas escolas ou creches, é algo estruturante para o desenvolvimento do Brasil e, por isso, seguimos ao lado dos professores”.

A mediadora da live destacou a importância da luta pela aprovação da PEC do Fundeb no Senado, chamando educadores e estudantes a reforçar a mobilização no Senado. “Nós temos que continuar firmes e juntos pelo Fundeb e na luta pelo Fora Bolsonaro”, concluiu Silvana.

Assista à transmissão!

 

Fonte: CUT-RS