Central Única de Trabalhadores

Reforma Trabalhista destroi a CLT – Vagner Freitas

13 abril, quinta-feira, 2017 às 11:30 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Vagner

Vagner

Para quem não acreditava que o golpe foi contra os trabalhadores e contra o Brasil, o projeto de reforma trabalhista não deixa dúvida. O objetivo desta reforma é promover uma completa flexibilização do mercado de trabalho, acabando com direitos que hoje estão garantidos em lei e que foram conquistados à custa de muitas lutas.

O projeto de lei propõe, de uma só vez:

- trocar o emprego “fixo”pelo “bico”,

- impedir os trabalhadores de recorrerem à Justiça do Trabalho

- e enfraquecer e matar os sindicatos.

A intenção é eliminar o emprego formal com registro em carteira, substituindo-o por  contrato precário, por prazo determinado, sem benefícios, jornadas de trabalho maiores do que 44 horas semanais, sem direito a hora extra, sem férias e sem descanso semanal remunerado.

Em algum tempo, os postos de trabalho atuais serão substituídos por vagas de emprego precário, terceirizado, temporário e em tempo parcial, com baixos salários e direitos reduzidos. Serão substituídos também por contratos de trabalho intermitente, sem jornada definida, no qual o trabalhador recebe apenas o pagamento pelas horas trabalhadas, sem saber quando e por quanto tempo vai trabalhar, nem quanto vai receber no final do mês. O empregado fica a maior parte do seu tempo à disposição do patrão, mas só recebe pelas horas efetivamente trabalhadas.

Se essa reforma de trabalho servil for aprovada, o povo brasileiro ficará sujeito às piores condições de trabalho, com baixos salários e sem benefícios, completamente exposto a exploração dos patrões e a uma vida de instabilidade e insegurança.

Essa é a cara do trabalho no Brasil, que o governo Temer e o Congresso querem impor aos trabalhadores e à sociedade. Esse será o triste futuro dos nossos filhos e netos num país de enorme desigualdade social e sem sindicatos para defendê-los.

Por isso que o Brasil está se mobilizando para a Greve Geral no dia 28 de abril

 

Vagner Freitas é presidente nacional da CUT.

 

Fonte: CUT Nacional