Central Única de Trabalhadores

O futuro da saúde pública está em nossas mãos – Estevão Finger

21 outubro, domingo, 2018 às 11:25 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

COSMAM

COSMAM

Sul21 – Daqui a praticamente uma semana, estaremos diante de uma das eleições presidenciais mais complexas de nosso país. De um lado, um candidato que representará a continuidade destrutiva das políticas públicas do governo Temer (no caso da saúde, sucateamento do SAMU, da Farmácia Popular e da atenção básica, são exemplos); este é Bolsonaro.

Por outro lado, um candidato que devolverá a esperança de um futuro melhor ao Brasil; este é Haddad. É a barbárie – representado por Bolsonaro versus a democracia – representada por Haddad.

Após o golpe de 2016 (onde uma presidenta eleita democraticamente pelo povo – Dilma Rousseff – foi injustamente impedida de continuar governando o país), o Brasil entrou em uma escalada de retrocessos jamais visto nas últimas décadas.

A nefasta reforma trabalhista, a tentativa da reforma da previdência e o congelamento de recursos para políticas públicas – por 20 anos – são grandes exemplos negativos. Nesse artigo, a ideia é explorar os programas da saúde dos candidatos as Presidência da República, baseado nos programas de governo.

A proposta do candidato Bolsonaro é superficial e tenta simplificar a complexidade da saúde de nosso país. A começar, é necessário chamar atenção para o fato de que o candidato votou a favor do congelamento de recursos para a saúde por 20 (vinte) anos, enquanto deputado federal. Então, esse candidato não valoriza essa importante política pública.

O Prontuário Eletrônico Nacional Interligado, e a informatização dos serviços como um todo, proposta do Bolsonaro, necessita de financiamento específico. No que tange o Programa Mais Médicos, fundamental à população, não há nenhuma garantia de sua continuidade. Porém, o mais grave, é que o candidato afirma que pode “fazer mais” com o mesmo recurso – que por sinal ele ajudou a congelar.

É uma contradição, uma falácia enorme, má-fé e um engodo para a população. Comparando, é como se o cidadão quisesse reformar sua casa, mas sem o dinheiro necessário para isso,  enganando a si mesmo. Porém, no caso do presidenciável, ele engana a população. Sabe-se que sem recurso não existe investimento e melhoria de absolutamente nada. Além disso, o candidato afirmou que pretende privatizar estatais, logo o Grupo Hospitalar Conceição (GHC), um dos maiores hospitais públicos do país, corre sério risco.

As propostas de Haddad, por outro lado, dialogam com aquilo que o Brasil necessita para voltar a ser feliz. Ressalta a importância de aumentar imediata e progressivamente o financiamento da saúde (meta de 6% em relação ao PIB); valorização dos trabalhadores da saúde (políticas de saúde do trabalhador); investimento no complexo econômico-industrial da saúde, fomentando a produção de ciência e tecnologia e incrementando o mercado interno; articulação federativa entre municípios, Estados e União; diálogo permanente com a sociedade civil sobre o direito à saúde, fortalecendo os conselhos e conferências de saúde.

Ainda, consolidação e aprimoramento da Atenção Básica, para tornar mais resolutiva e a criação das Clínicas de Especialidades Médicas, um dos grandes desafios do SUS. Por fim, chama atenção o compromisso com a população de mulheres, negra, LGBTI+, juventude, pessoas com deficiência, entre outras.

Nesse sentido, a população brasileira precisará decidir qual o futuro da saúde em nosso país. Será o futuro de mais pessoas chegando às emergências, baleadas pela liberação do porte de armas que o Bolsonaro propõe, juntamente com o fim do SUS pelo seu desfinanciamento e desmantelamento? Ou será um SUS de todas e todos, com investimento e propostas concretas e factíveis de serem realizadas e executadas, como propõe o Haddad?

Fiquemos, indubitavelmente, com Haddad e Manuela, para resgatar nossa democracia, ampliar a saúde para a população brasileira e o povo voltar a ser feliz de novo!

Fonte das informações: plano de governo dos candidatos à presidência.

Estevão Finger é presidente do Sindicato dos Enfermeiros do Rio Grande do Sul.

Fonte: Sul21