Central Única dos Trabalhadores

No ronco da cuíca – Everton Gimenis

6 fevereiro, quinta-feira, 2020 às 7:44 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Gimenis1

Gimenis1

Sul21 – O Carnaval é a maior festa popular do país e o evento mais famoso do mundo. Arraigado à cultura brasileira, a folia momesca mexe com as pessoas, que se preparam fisicamente para aguentar a maratona do samba nas ruas e avenidas.

Blocos e bandas, desfile de escolas de samba, bailes, concursos e batucadas por todo lado. Nesta batida, boa parte da população investe em roupas, acessórios, fantasias, turbinando negócios, principalmente na área de turismo e hotelaria.

Nós, bancários, temos tradição de participar de blocos de carnaval como o Areal da Baronesa que já nos prestou homenagem, e de muitas escolas de samba. O SindBancários sempre valorizou toda a forma de manifestação cultural, especialmente esta grande festa popular. Neste ano, inclusive, teremos um bancário, ex-presidente do Sindicato, Olívio Dutra,  sendo homenageado pela Império da Zona Norte com o enredo “O Galo Missioneiro”.  

Apesar do período ser festivo, não podemos esquecer que o Brasil  vive um momento dramático. Enfrenta governos que atacam a cultura de modo geral e, em especial, a chamada cultura popular. Tentam sufocar financiamentos e acabar com as políticas de incentivo à produção cultural. Querem calar o povo. Caçar a liberdade de expressão. Até o Ministério da Cultura foi extinto pelo governo Bolsonaro.

Isso, além dele ter empossado um secretário claramente influenciado pelo nazismo, que boicotava, censurava os projetos culturais como o filme Marighella, por exemplo. 

Em Porto Alegre, não é muito diferente. Temos um prefeito que acabou com todo o incentivo ao carnaval, que já era insuficiente. Fez esses cortes apesar de ter recebido, durante as eleições, apoio de algumas lideranças do mundo carnavalesco.

Como resultado, a Capital gaúcha teve um ano no qual o Carnaval não existiu. Agora, a folia está acontecendo na base da resistência e com as escolas de samba correndo atrás de patrocínios e sem nenhuma ajuda da prefeitura. 

E a festa mais democrática e espontânea de todas, uma das que mais movimentam a economia, a folia carnavalesca nas ruas, foi proibida de ser realizada nas vias da Cidade Baixa. Justo lá, onde a presença dos blocos se consolidou com a participação de um grande público nos últimos anos. É preciso ressaltar que no ronco da cuíca e com samba no pé, está o SindBancários a participar da resistência, lado a lado com o povo brasileiro. E, sempre estaremos de mãos dadas, como diria o Chico, “nesta ofegante epidemia que se chamava o Carnaval.” 

 

Everton Gimenis é presidente do SindBancários de Porto Alegre e vice-presidente da CUT/RS.

 

Fonte: Sul21