Central Única de Trabalhadores

Lutar contra os ataques da direita. No campo e na cidade – Jandyra Uehara Alves

8 abril, sexta-feira, 2016 às 9:05 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Jandira1

Jandira1

Em 2012, o governo federal através da Secretaria Nacional de Direitos Humanos apresentou relatório apontando cerca de 1.200 mil camponeses mortos e desaparecidos durante o regime militar até o ano de 1988.

Entre 1984 e 1988 houve o maior índice de assassinatos, com mais de 100 crimes de morte por ano, num contexto de ascensão dos movimentos sociais, criação oficial do MST em 1984, de expectativa de redemocratização do país e de Reforma Agrária, de lutas e ocupações que os latifundiários responderam reprimindo, emboscando e assassinando trabalhadores rurais.

A violência no campo combinada com a ação do aparelho de estado a favor do latifúndio e a omissão em relação às demandas dos trabalhadores tem sido preponderante nos últimos 30 anos, com a priorização e o avanço do modelo agrário exportador, inclusive no último período.

Nos últimos 30 anos, de acordo com a CPT mais de 1.700 pessoas, entre indígenas, quilombolas, pescadores, agricultores, sem terras foram assassinados em conflitos ocorridos de norte a sul do país, em todos os estados brasileiros.  Menos de 10% foram a julgamento, nada mais eloquente para comprovar a conivência dos aparatos de segurança e do sistema judiciário com a matança promovida pelos latifundiários.

Em 2015 foram 49 assassinatos de trabalhadores rurais decorrentes de conflitos no campo.

Falar em retroceder na democratização do país para os lutadores e lutadoras do campo é no mínimo desrespeitar o suor e o sangue que seguem derramados na imensa vastidão de terras dominadas pelo latifúndio e pelo agronegócio.

A frágil democracia construída nos últimos anos não chegou ao campo, não foi capaz de deter o poder do latifúndio, de avançar na Reforma Agrária e persiste a versão “moderna” dos coronéis com seus jagunços e organizações paramilitares, que com o apoio das polícias e do judiciário segue tocando o terror, em lugares que o nosso olhar não alcança. A dor e a luta dessa gente que quer o direito de trabalhar e produzir de forma saudável o que irá para as nossas mesas não sai no Jornal Nacional.

A violência contra os que lutam e a sede de matança no campo estão exacerbadas pelo ambiente de ódio que disseminam pelo país através dos meios de comunicação. Não é de se estranhar que os mandantes, a polícia, os jagunços se sintam à vontade para suas ações covardes. A “licença” está dada e vai ao ar cotidianamente em rede nacional.

Nesta semana no Paraná, a emboscada de jagunços e policiais no Acampamento do MST e o assassinato dos jovens Vilmar Bordim e Leonir Orback ; na Paraíba o assassinato do militante da reforma agrária e presidente do PT de Mogeiro, Ivanildo Francisco da Silva.

A direita partidária, social e econômica tenta destruir a nossa frágil democracia, golpear a classe trabalhadora, retirar direitos, alinhar-se ao imperialismo norte americano e deter qualquer possibilidade de realização das nossas bandeiras históricas, a exemplo da Reforma Agrária.

Segue firme o Abril Vermelho, aos 20 anos do Massacre de Eldorado de Carajás . Não permitiremos retrocesso. Golpistas, ladrões de direitos, entreguistas, fascistas e assassinos não tomarão novamente os rumos deste país. Não sem enfrentar muita luta e resistência da classe trabalhadora brasileira.

 

Jandyra Uehara Alves é secretária nacional de Políticas Sociais e Direitos Humanos da CUT

 

Fonte: CUT Nacional