Central Única dos Trabalhadores

Jamais esqueceremos os traidores que privatizaram a CEEE – Ana Spadari

31 março, quarta-feira, 2021 às 2:07 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Spadari

Spadari

31 de março de 2021 é um dia que ficará para sempre na história do Rio Grande do Sul. Uma página muito triste que o povo gaúcho vai lembrar. A omissão da população e a alienação frente a assuntos tão importantes vão custar muito caro. Longe de ser uma visão corporativa, é a realidade que estamos lendo e tomando conhecimento pela imprensa.

O governador Eduardo Leite (PSDB) não apresenta projetos para o desenvolvimento e ele está "vendendo" o patrimônio dos gaúchos no auge da pandemia do coronavírus. Ele se mostrou incapaz de administrar a Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE-Distribuidora), que já esteve no ranking das melhores do Brasil e optou em doá-la para o capital privado. Sim, entregar por 100 mil reais uma distribuidora de energia, com arrecadação garantida, é doação. É beneficiar, não sei qual é o motivo, um grupo empresarial em detrimento do povo gaúcho.

Traição, não existe outro nome. Os deputados da base aliada do governador e os seus partidos vão ter que responder aos seus eleitores quando o negócio não atender às necessidades da população. Gravem bem os parlamentares que apoiaram essa tragédia, pois é deles e do inquilino do Palácio Piratini a responsabilidade pela entrega de um serviço essencial às nossas vidas.

O governador e os deputados estaduais de direita vão ter que responder também pelo futuro dos trabalhadores da CEEE e de suas famílias. São os responsáveis diretos pelas demissões, bem como a partir de agora pela qualidade da distribuição de energia dos gaúchos.

Os eletricitários da CEEE são todos concursados, ingressaram na empresa ainda jovens, estruturaram as suas famílias e organizaram as suas vidas. Muitos, infelizmente, votaram nesse governador e em vários deputados, que aprovaram a venda da CEEE-Distribuidora, vão receber uma demissão como prêmio. Esperamos que tenham aprendido da pior maneira possível a classe social a que pertencem e quem realmente defende os interesses dos trabalhadores. 

Cabe a cada um de nós refletir sobre tudo isso, reconstruir o seu futuro e jamais transferir para outro a decisão da sua vida. Lembraremos e resistiremos. Um novo mundo é possível!

 

 

Ana Maria Spadari é presidenta do Senergisul

 

 

Fonte: CUT-RS