Central Única dos Trabalhadores

Governo Sartori tenta passar por cima do TRT com “proposta” para a Corag – Francisco Lázaro Peixoto da Silva

24 julho, segunda-feira, 2017 às 4:28 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Francisco Peixoto

 Francisco Peixoto

Diante da informação divulgada pelo governo do Rio Grande do Sul em seu site oficial, onde afirma que, na audiência realizada na 9ª Vara da Justiça do Trabalho de Porto Alegre na segunda-feira, 17 de julho de 2017, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas de Porto Alegre (Stigpoa) rejeitou proposta para a demissão dos trabalhadores da Corag, consideramos importante esclarecer o seguinte:

O Stigpoa, junto com os sindicatos que representam os servidores de outras fundações estaduais também ameaçadas de extinção, já mantém negociação com o governo Sartori, contando ainda com a mediação do Tribunal Regional do Trabalho da 4 ª Região (TRT4). Mediação esta, aliás, solicitada pelo próprio governo.

O que foi colocado na referida audiência, portanto, é que respeitaríamos o acordo feito para a mediação no âmbito do TRT4. Por isso, entendemos que não faria sentido discutir a “proposta” que nos foi apresentada na audiência do processo que corre em primeira instância. Deixamos “proposta” entre aspas porque, na verdade, o que nos foi apresentado não difere em nada do que já constava da própria lei de extinção da Corag (14.979/2017): a extinção da empresa e a demissão dos trabalhadores.

Assim, a informação constante do site do governo do Estado só demonstra sua tentativa de iludir a opinião pública e manipular os interesses dos servidores atingidos por sua política nefasta.

Por fim, reforçamos que não estamos nos furtando a negociar com o governo. Esperamos, porém, que o governo mostre respeito em relação à mediação do TRT4, que ele mesmo solicitou, e deixe para apresentar toda e qualquer proposta que possua para os trabalhadores da Corag dentro deste contexto.

Francisco Lázaro Peixoto da Silva é presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas de Porto Alegre (Stigpoa).

Fonte: Sul21