Central Única de Trabalhadores

É golpe, sim! E resistir a ele é um direito e um dever nosso! – Paulo Cayres

30 março, quarta-feira, 2016 às 7:09 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Paulo Cayres

Paulo Cayres

A classe trabalhadora e a sociedade não podem ser acuadas! O que está em curso no Brasil é um ataque feroz não a um governo, não a uma presidenta, não a um partido e nem ao maior líder político da história.

É um ataque à democracia e ao projeto de país em construção há 13 anos. É um golpe contra o povo e as organizações democráticas!

É a aposta da elite mundial em retomar, com toda a ferocidade, o projeto neoliberal radical, para acabar com direitos trabalhistas, para rasgar a CLT, para mudar e precarizar a Previdência Social, acabar com a aliança do Brasil com outras nações – a exemplo do Brics, da Unasul e de países africanos –, para dar continuidade com a maior rapidez ao processo de privatização interrompido no início dos anos 2000, que tem como principal foco a Petrobras e o Pré Sal.

A América do Sul é estratégica para os interesses dos Estados Unidos e daqueles que detêm o capital mundial. Dentro dela, o Brasil é principal alvo, porque detém a maior reserva de água doce do mundo, tem a maior produção de proteína animal e vegetal, tem a maior área agrícola, uma das maiores reservas de petróleo, de minérios e de urânio do mundo.

Por isso, o discurso de moralização e de combate à corrupção é só uma cortina de fumaça deste projeto maior, que quer transformar o Brasil novamente numa colônia, da qual é retirada toda a riqueza, às custas do massacre de seu povo. Sem direitos trabalhistas, seremos praticamente escravos dos poderosos.

O que está em jogo neste golpe – que tem o apoio dos vassalos brasileiros do capital internacional, como os partidos de oposição e os meios de comunicação da burguesia – é a soberania do Brasil e de seu povo. É a nossa independência!

Não podemos permitir que a porta da democracia seja arrombada, porque se ela for aberta, o leão entra e não vai querer sair. Ele vai querer engolir todos os programas de inclusão social, vai rasgar projetos de educação para todos, vai devolver o pobre para as favelas e para a miséria.

Esses são os verdadeiros motivos que estão por trás da tentativa de incriminar o ex-presidente Lula e de interromper o mandato da presidenta Dilma Rousseff.

Os poderosos não estariam fazendo esse verdadeiro estupro à Constituição brasileira e ao resultado das eleições de 2014 se não houvesse tanta coisa em jogo.

Mas não podemos vacilar e nem considerar que esse golpe é vitorioso. Temos de unir, como começamos a fazer, todos os setores progressistas da sociedade – sindicatos, movimentos sociais, estudantes, acadêmicos, artistas etc. – do Brasil e do mundo para barrar essa investida da elite internacional.

Não devemos temer o enfrentamento, porque quando os poderes públicos, a vida constitucional e os direitos sociais são atacados, resistir é uma obrigação!

Vamos ocupar todos os espaços para continuar denunciando e combatendo esse jogo. É golpe, sim! E resistir é um direito e um dever de todo o cidadão!

 

Paulo Cayres é presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM-CUT).

 

Fonte: CUT Nacional