Central Única de Trabalhadores

Censura ao filme “Aquarius” reforça caráter golpista e vingativo do governo ilegítimo de Temer aos seus opositores – José Celestino Lourenço

25 agosto, quinta-feira, 2016 às 4:12 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Tino

Tino

Durante o último festival de Cannes realizado no último mês de maio, atores e atrizes do filme Aquarius do cineasta Kleber Mendonça e estrelado pela atriz Sonia Braga, aproveitaram a grande visibilidade deste evento para demonstrar os seus descontentamentos com o processo de impeachment da Presidenta Dilma Rousseff, corroborando com a afirmação daqueles que o compreendem como mais um golpe na jovem democracia brasileira.

Em uma manifestação espontânea atores e atrizes do filme ergueram cartazes com dizeres de protesto contra o golpe em marcha no Brasil liderado pelo vice-presidente golpista Michel Temer e em defesa da democracia. Este ato de protesto em Cannes teve grande repercussão na imprensa internacional, contribuindo para que a rejeição ao golpe em curso no Brasil ganhasse a adesão de nomes importantes do meio artístico e cultural internacional tais como: Susan Sarandon (atriz) Danny Glover (ator), Noam Chomsky (intelectual), Eve Ensler (escritora) Tariq Ali (escritor), Alan Cumming (ator), Frances de la Tour (atriz), Deborah Eisenberg (escritora), Stephen Fry (ator), Daniel Hunt (cineasta), Naomi Klein (escritora), Ken Loach (cineasta), Tom Morello (músico), Michael Ondaatje (escritor), Arundhati Roy (escritora), John Sayles (diretor e roteirista), Wallace Shawn (ator) e Vivianne Westwood (estilista).

Aquarius, vencedor do prêmio de melhor filme no festival de cinema de Sydney em junho passado, teve sua pré-estreia no dia 20 em Recife com a previsão de exibição nas demais salas de cinema do Brasil a partir do mês de setembro, tem um inimigo declarado: o governo golpista liderado por Michel Temer que aproveita o lançamento do filme no país para se vingar do protesto realizado pelo elenco em Cannes ao seu governo ilegítimo.

Através do interino Ministro da Educação Mendonça Filho, impõe uma censura ao filme alegando a existência de cenas de sexo, violência e drogas que consideram impróprias para menores de 18 anos. Para nós está muito claro que se trata de uma retaliação política sem fundamento e que tem como motivação prejudicar a bilheteria de Aquarius, vingando-se do seu diretor e elenco, sem levar em consideração o prejuízo que este ato autoritário pode causar ao cinema nacional.

Parece-nos que esta atitude do governo golpista faz parte do seu  projeto político cuja perspectiva aponta, como todo governo ilegítimo e autoritário, para uma gestão déspota que atropela direitos constitucionais, persegue e impõe sofrimento aos opositores e pretende determinar como a industria cultural daqui para frente deve funcionar.

Impor censura ao filme Aquarius é a ponta do icerberg de uma triste realidade que o país enfrentará no campo da cultura se o governo ilegítimo do golpista Temer vier a se consolidar. Particularmente, se levarmos em consideração que o setor cultural é um dos que mais tem se posicionado fortemente contra o golpe.

A distribuidora Vitrine Filmes, responsável pela distribuição do filme no Brasil questiona a censura do governo golpista alegando que as cenas em que sexualidade e violência aparecem estão restritas a dois momentos e que não constituem o eixo central da trama exibida em longa-metragem.

Em solidariedade ao cineasta Kleber Mendonça e ao elenco do filme Aquarius a CUT, através da sua Secretaria Nacional de Cultura, repudia este e todos os atos do governo golpista e ilegítimo de Michel Temer que represente a imposição da censura, perseguição e vingança contra aqueles que através das diferentes expressões artísticas buscam refletir a realidade política e social brasileira e exercer seu direito de livre expressão.

Queremos ver se o governo ilegítimo e golpista de Michel Temer vai impor censura às inúmeras produções da TV Globo, com a mesma alegação de que são inapropriadas para menores de 18 anos, pelo critério adotado contra Aquarius, que são permeadas por cenas de sexo, droga e violência, levadas ao ar quase todos os dias em horário nobre através das telenovelas.

Não temos dúvida que este é mais um tiro no pé do governo golpista contra aqueles que se manifestam em defesa da democracia. Segundo o Jornal Folha de São Paulo (21.08), o filme foi ovacionado em sua pré-estreia em Recife,  com uma forte manifestação de repúdio da plateia à censura imposta e contra o governo ilegítimo de Temer. Sinal de que será um sucesso para desespero dos golpistas vingadores e oportunistas de plantão. Em defesa da liberdade de expressão, FORA TEMER!!

 
José Celestino Lourenço (Tino) é secretário nacional de Cultura da CUT

 

 

Fonte: CUT Nacional