Central Única de Trabalhadores

A necessária resistência em período de avanço fascista – Estevão Finger

29 outubro, segunda-feira, 2018 às 10:36 am

Comentários    Print Friendly and PDF

COSMAM

COSMAM

Sul21 - Diante do resultado eleitoral – para a presidência da República – não nos restará outra ferramenta de luta a não ser a enorme resistência no próximo período, diante da escalonada fascista em nosso país.

Essa resistência, que sustentará nossa própria existência, só poderá concretizar-se com uma grande unidade, frente de esquerda com programas bem definidos e que seja perene. Essa frente, composta por partidos políticos com identificação de esquerda e democratas, movimentos populares e sociais diversos – como comunitários, de bairros, mulheres, LGBT+, negros, estudantes, universidades, MST, MTST, Frente Brasil Popular, Frente Povo Sem Medo, sindicatos, etc.

O papel do sindicalismo será de tamanho enorme, haja vista todos esses retrocessos que estamos vivenciando, e deverão piorar. Será um refúgio aos(as) trabalhadores(as), um grande abrigo em defesa da classe trabalhadora. Portanto, não restará outro instrumento de insurgimento social, exceto a grande unidade de todos movimentos sociais.

Infelizmente, o Brasil terá um enorme retrocesso em termos de políticas públicas sociais, onde a classe trabalhadora continuará sendo duramente atingida. Por outro lado, pode-se afirmar, que diante do contexto de golpe de estado em 2016, diante de retrocessos como a reforma trabalhista, a tentativa de reforma da previdência, congelamento de gastos de políticas públicas (como saúde, educação e segurança), diante dos escândalos destas eleições em se tratando do suposto uso das fakenews impulsionadas por empresários ligados a Bolsonaro, o Partido dos Trabalhadores (PT) – somado com todos outros partidos democratas, movimentos diversificados em busca da democracia e contra qualquer forma de intolerância e violência – saiu fortalecido com praticamente 45% dos votos válidos (em torno de 47 milhões de pessoas). Essa fortaleza necessita ser (re)construída, e os alicerces precisam ser pavimentados de muita, mas muita, democracia.

Não há outra saída, é emergente a construção dessa frente de esquerda e democrática – não pensando somente nas próximas eleições – para combater (com cabeças erguidas e altivez) o período nebuloso e fascista que se aproxima. O amor vencerá o ódio, sempre, só depende de nós. Só a luta nos transforma e transforma a sociedade.

.

Estevão Finger é presidente do Sindicato dos Enfermeiros do Rio Grande do Sul

.

Fonte: Sul21