Central Única de Trabalhadores

A luta é diária e em todo lugar. Neste dia 13 será nas ruas – Vagner Freitas

12 agosto, segunda-feira, 2019 às 7:14 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Vagner na Paulista

Vagner na Paulista

Nesta terça-feira, 13 de agosto, a CUT, demais centrais sindicais, movimentos sociais, estudantes, professores, trabalhadores e trabalhadoras voltam às ruas para mais uma batalha contra o desmonte da Educação, em defesa do direito à aposentadoria, dos direitos sociais e  pela classe trabalhadora.

Esse é caminho a seguir: resistência e luta organizada, unificada e incansável. Todos os dias, nas ruas, sindicatos, locais de trabalho, universidades. Na cidade e no campo. Essa é a caminhada do povo e de todas as instituições que defendem a soberania e a democracia brasileira, unidos na luta pelo crescimento sustentável da economia, pelo direito de a população ter trabalho decente e acesso a serviços essenciais de qualidade, com liberdade de ação e expressão.

A luta dos sindicatos, dirigentes e da militância da CUT é imprescindível ao País neste momento de ataques sem precedentes aos direitos dos trabalhadores e da maioria da população, em especial os mais pobres.  Dezenas de dados apontam um Brasil ferido, doente, rumo ao caos instalado pelo precário governo Bolsonaro em meio a uma crise global.

Não podemos esquecer por um minuto dos quase 13 milhões de desempregados, dos mais de 28 milhões de “subutilizados” e que outras dezenas de milhões de desalentados que sobrevivem de bico, à beira da miséria e da indigência. Nem que todos os dias alguma notícia absurda vinda do governo federal revela mais um ataque aos cidadãos e à cidadania.

Nada disso, porém, pode minar a resistência. Por isso, na véspera desse dia nacional de paralisação e mobilização, a CUT e seus entes reforçam o chamamento para a luta. Jovens, idosos, mulheres, desempregados,  trabalhadores, todos, de alguma forma, sofrem na pele as consequências das ações nefastas do governo Bolsonaro, dos golpes baixos vindos dos três Poderes que deveriam proteger a nação e os brasileiros, mas não o fazem. Ao contrário.

Vamos às ruas neste 13 de agosto com a cabeça em pé, com a certeza de que lutamos de todas as formas contra a aprovação da reforma da Previdência (pela Câmara dos Deputados). Seguiremos lutando até o último voto no Senado. E depois do último voto também.

O governo pode utilizar suas prerrogativas e sacar bilhões de reais em emendas e benesses aos seus aliados para tentar garantir os votos necessários à aprovação de seus desvarios e desmandos, em prejuízo da classe trabalhadora. Mas nós também somos milhões de homens e mulheres determinados a lutar, e não começamos a lutar ontem. Sabemos o que fazer, pois a luta será longa e árdua, dependerá de muita mobilização e organização. Será diária, em todos os lugares. Amanhã esse lugar será a rua.

Boa luta a todos e todas.

 

Vagner Freitas é presidente nacional da CUT

 

Fonte: CUT Brasil