Central Única dos Trabalhadores

“Pátria amada não pode ser pátria armada”, diz arcebispo de Aparecida

13 outubro, quarta-feira, 2021 às 10:05 am

Comentários    Print Friendly and PDF

Dom Orlando

Dom Orlando

CUT – Na principal celebração do Dia de Nossa Senhora, no Santuário de Aparecida, na manhã desta terça-feira (12), o arcebispo do município, dom Orlando Brandes, criticou o ódio e a intolerância de grupos bolsonaristas usando, para isso, o slogan do governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL) “pátria amada, Brasil”. Bolsonaro assistiu à missa da tarde que também teve críticas, mas não tão contundentes como as da manhã.

"Pátria amada não pode ser pátria armada", disse o arcebispo Orlando Brandes, que prosseguiu: "Para ser pátria amada, seja uma pátria sem ódio. Para ser pátria amada, uma república sem mentira e sem fake news. Pátria amada sem corrupção. E pátria amada com fraternidade. Todos irmãos, construindo a grande família brasileira”.

Em nenhum momento da homília, o arcebispo citou o presidente, que é pró-armamentismo e é alvo de inquérito sobre disseminação de informações falsas, mas aproveitou o momento para lamentar as mais de 600 mil mortes por Covid-19 e defender a vacina e a ciência.

"Mãe Aparecida, muito obrigado porque na pandemia a senhora foi consoladora, conselheira, mestra, companheira e guia do povo brasileiro que hoje te agradece de coração porque vacina sim, ciência sim e Nossa Senhora Aparecida junto salvando o povo brasileiro".

Assista ao vídeo do Metrópoles com trecho do sermão

Padre elogia os que promovem a paz

Na missa da tarde, com Bolsonaro presente, o padre José Ulisses, diretor da Academia Marial de Aparecida, foi menos duro, mas fez várias referências à situação crítica do pais.

"Você que está aqui hoje, neste 12 de outubro de 2021, pode agradecer por estarmos aqui, vivos. Ela [Nossa Senhora] enxuga as lágrimas de muitas famílias. Muita gente morreu, mas hoje é o momento de olhar a imagem da nossa Mãe e dizer obrigada."

Padre Ulisses falou também sobre o desemprego, a fome e elogiou os que promovem a paz.

"Há várias mesas vazias, desemprego. Mas Nossa Senhora está aqui hoje para repartir o bolo do seu aniversário, sem distinção. Somos o povo de Deus. E a maior dignidade que temos deve prevalecer ao povo de Deus. Só assim poderemos construir um país e, assim, sonhar com a paz e a justiça", disse o padre.

"Que haja mais desarmamento, mais felicidade e mais humanidade", disse ele olhando na direção de Bolsonaro e de seus ministros. "Em seu aniversário, tudo que Nossa Senhora deseja é a vida.".


 

Foto: Reprodução / Globoplay


 

Fonte: CUT Brasil