Central Única de Trabalhadores

Para Sinpro-RS, UniRitter está descumprindo decisão judicial ao fazer alteração curricular e demissões

15 dezembro, sexta-feira, 2017 às 12:12 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Unirriter

Unirriter

Sul21 – O Sindicato dos Professores do Estado do Rio Grande do Sul (Sinpro-RS) questionará judicialmente a alteração da grade curricular de alguns cursos e as demissões anunciadas nesta quinta-feira (14) pela direção da UniRitter, em Porto Alegre. As demissões pegaram professores e estudantes de surpresa.

Segundo Amarildo Cenci, integrante da direção estadual do Sinpro-RS e secretário-geral adjunto da CUT-RS, a alteração curricular foi um pretexto para reduzir o número de horas-aula por turno dos professores. Cenci observou que, no início deste ano, o sindicato ingressou com uma ação judicial questionando essa prática de alteração do número de horas por turno. Segundo ele, essa ação foi vitoriosa e a UniRitter foi proibida de fazer o que está fazendo agora.

O sindicato, informou, denunciará o descumprimento dessa decisão judicial. A redução do número de horas por turno viria acompanhada pela extinção de alguns cursos de pós-graduação e pelo aumento do número de disciplinas de ensino à distância (EaD).

O Sinpro, oficialmente, foi comunicado de 30 demissões realizadas na quinta-feira e de outras 20 que devem ser confirmadas hoje (15). Na avaliação do diretor da entidade, a UniRitter está promovendo uma migração forçada para um novo currículo e as demissões prejudicarão diretamente a qualidade de ensino da instituição.

Amarildo

Na manhã de quinta, a direção do sindicato teve uma reunião com a direção da UniRitter, que confirmou a realização dessa migração. “Na quarta-feira, fizeram uma reunião com os professores, na quinta começaram as demissões e, na próxima segunda, começam as férias”, assinalou Amarildo Cenci. E no final da próxima semana, lembrou, começa o recesso do Judiciário.

Até a manhã desta sexta-feira, a UniRitter não havia confirmado o número total de demissões que ocorrerão em função dessa alteração curricular. A direção da instituição disse apenas que se trata de uma medida destinada à “modernização dos modelos tradicionais de ensino”.

Em nota, a UniRitter afirmou ainda que as demissões “não tem qualquer relação com a nova legislação trabalhista”. Em 2010, o Centro Universitário Uniritter deixou de ser uma instituição filantrópica ao ser comprado pela Laureate International Universities, empresa privada com sede nos Estados Unidos, e que possui uma rede com mais de 50 universidades, em 24 países.

Um dos cursos mais atingidos pelas demissões foi o da Arquitetura. Em uma página criada no Facebook, os estudantes da faculdade criticaram a decisão e convocaram uma mobilização contra as demissões. “Não é de hoje que não temos o mínimo resguardado, as recentes mudanças dos últimos anos feitas por parte da coordenação da Faculdade de Arquitetura UniRitter já demonstram intenções de cada vez mais enxugar e sucatear o ensino de arquitetura”, afirmam os organizadores da página que denunciam ainda o impacto das demissões:

“Hoje (14) recebemos a indignante notícia de que 14 dos professores pilares do curso foram demitidos, alguns que fundaram, e tijolo por tijolo criaram uma faculdade consistente. É triste que uma faculdade que não por acaso foi referência nacional, pela qualidade dos professores e pela forma de como ensinar, seja DESMONTADA por uma coordenação distante e despreocupada, que em nenhum momento pareceu pensar no aluno”.

Estudantes da UniRitter realizaram uma assembleia no final da tarde de quinta para denunciar as demissões e debater possíveis medidas judiciais contra as mudanças anunciadas pela direção da entidade. A direção do Sinpro se reunirá na manhã deste sábado para definir as medidas que pretende tomar contra a UniRitter.

 

 

Fonte: Marco Weissheimer – Sul21