Central Única dos Trabalhadores

“O Brasil precisa parar Bolsonaro” será a mensagem do panelaço, às 20h30, deste 31 de março

31 março, terça-feira, 2020 às 5:40 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Panelaço - 31.03 1

Panelaço - 31.03 1

Com a mensagem “o Brasil precisa parar, Bolsonaro”, a CUT, centrais sindicais e frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, artistas e personalidades estão convocando a população para um panelaço nas janelas nesta terça-feira (31), às 20h30, em defesa da vida e contra a postura do governo de Jair Bolsonaro. 

Ele ignorou as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OSM) de isolamento social para conter a disseminação do novo coronavírus (Covid-19), que já matou mais de 39 mil pessoas no mundo e mais de 160 no Brasil, ao sair por Brasília provocando aglomerações e dar entrevistas contra a quarentena, gestos e falas que podem levar milhares de brasileiros à morte. 

Os atos serão uma resposta à campanha “o Brasil não pode parar”, produzida por Bolsonaro contra o isolamento social, que já foi inclusive proibida pela Justiça brasileira que determinou que o governo tirasse do ar as peças que estavam sendo publicadas nas redes sociais do governo.

Em matéria sobre o panelaço, publicada pelo Jornal Valor Econômico desta terça-feira, vários sindicalistas e lideranças dos movimentos sociais chegaram a dizer que o “Fora, Bolsonaro” é um dos gritos de guerra desta terça e o presidente nacional da CUT, Sérgio Nobre, endossou afirmando que ou ele renuncia ou tem de ser impedido de comandar o país.

"Que Bolsonaro renuncie. Se não renunciar, que seja impedido", destaca Sérgio Nobre.

As lideranças sindicais, de movimentos sociais e de partidos sugerem que durante o ato a população use cartaz, placas e faixas nas janelas para pedir a Bolsonaro que leve mais a sério o tratamento da pandemia do novo coronavírus.

A data foi escolhida pelo movimento para contrapor o 31 de março de 1964, quando o país sofreu um golpe civil e militar e que deu início a ditadura militar no país que durou 21 anos. No período muitos foram assassinados por discordar do governo, outros foram torturados, sumiram, foram exilados.

Novo ataque a jornalistas

Nesta terça, Bolsonaro voltou a hostilizar repórteres em entrevista coletiva na saída do Palácio da Alvorada com ajuda de apoiadores.

A hostilização coletiva aconteceu quando repórteres perguntaram sobre a postura do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que tem dado orientações contrárias às de Bolsonaro durante a crise do coronavírus e tem mantido a posição firme sobre a importância do isolamento. Bolsonaro reagiu incentivando o apoiador a falar e mandando que os jornalistas ficassem quietos.

#DitaduraNuncaMais

Desde as primeiras horas do dia, #DitaduraNuncaMais no Twitter já era o primeiro assunto mais comentado no Brasil e o terceiro no mundo. A hashtag é para lembrar os 56 anos do Golpe Civil e Militar que assombrou o país por 21 anos.

O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) postou em seu Twitter sobre o tema junto com um vídeo com trechos de documentários que contam a história do golpe:

“Em 31 de março de 64, um golpe militar, com o apoio dos Estados Unidos, derrubou um presidente eleito, acabando com as liberdades, prendendo, torturando e assassinando. Em um governo repleto de militares precisamos lembrar para que não se repita”.

divulgação

O líder do Movimento de Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, escreveu que “hoje completam 56 anos do golpe de 1964. Marco de autoritarismo, torturas e perseguição covarde. Marco para a democracia brasileira foi o movimento das Diretas, que encerrou essa noite sombria de 21 anos”.

 

Fonte: Érica Aragão – CUT Brasil