Central Única de Trabalhadores

No primeiro dia de greve dos trabalhadores da Saúde de Canoas, audiência garante pagamento parcial de salários atrasados

5 dezembro, quarta-feira, 2018 às 8:28 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Audiência Canoas4

Greve em Canoas

Enfermeiros, técnicos em enfermagem, farmacêuticos, radiologistas e profissionais de nível médico e técnico de Canoas entraram em greve geral por período indeterminado nesta quarta-feira (5).

A audiência realizada, na 4ª Vara do Trabalho de Canoas, garantiu que o prefeito Luiz Carlos Busato vai repassar em torno de R$ 12 milhões ao Grupo de Apoio à Medicina Preventiva e Saúde Pública (GAMP) para pagar parte dos salários atrasados dos trabalhadores da saúde municipal.

Essa medida é fruto da pressão do movimento sindical e, apesar de não contemplar todas as reivindicações, como o pagamento dos atrasos salariais, 13º, férias, FGTS e outros pontos, representa um alívio às centenas de funcionários que trabalham no HU, HPS, UPAs e CAPS até o próximo dia 10.

Audiência Canoas4

O Sindicato dos Enfermeiros do RS (SERGS), o Sindisaúde-RS, o Sindifars e o Sinttargs cobraram, na audiência de mediação, que o prefeito e a presidenta do GAMP, Michele Rosin, viabilizassem recursos para o pagamento dos profissionais.

O presidente do SERGS, Estêvão Finger, disse que, como o governo Sartori não está cumprindo com o repasse estadual aos municípios, “o intuito é fazer com a prefeitura de Canoas assuma para si as dívidas do GAMP com os trabalhadores da saúde e a administração do HU e do HPS”.

Nesta quinta-feira (6) vai haver uma assembleia conjunta, para que os trabalhadores decidam se irão aceitar ou não essa medida, ou se seguirão em greve.  Será em frente ao Hospital Universitário de Canoas, a partir das 20h.

Uma nova audiência ficou agendada para a próxima sexta-feira (7), às 8h, no Tribunal Regional do Trabalho, da 4ª Região (TRT-4), em Porto Alegre. O desembargador mediador responsável pelo pleito é o vice-presidente do TRT-4, Ricardo Carvalho Fraga.

 

 

Fonte: CUT-RS com Juliana Leal Cardoso – SERGS