Central Única de Trabalhadores do Estado do Rio Grande do Sul

No Dia do Estudante, milhares de secundaristas marcham em Porto Alegre contra ataques dos governos

11 agosto, sexta-feira, 2017 às 4:40 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Passe livre

20170811-jornal-sul21-mr-110817-9970-01

Sul 21 - Em protesto contra o fim da universalidade da meia passagem escolar, entre outras pautas, milhares de secundaristas marcharam na manhã desta sexta-feira (11) até a Praça Montevidéu, em frente à Prefeitura de Porto Alegre.

O ato, que partiu um pouco depois das 9h da Escola Técnica Estadual Parobé, foi definido como o “maior dos últimos tempos” e fez parte da jornada do Dia do Estudante.

Marchezan decretou, recentemente, o fim da gratuidade da segunda passagem para quem pega mais de um ônibus em um intervalo de 30 minutos, além de acabar com a universalidade da meia passagem escolar, que passaria a valer apenas para estudantes de famílias com renda de até três salários mínimos, o fim da meia passagem para professores, o fim da isenção da passagem para pessoas de 60 a 64 anos, a redução do número de viagens isentas para idosos e portadores de doenças que têm acesso ao benefício, a autorização para as empresas iniciarem o processo de eliminação dos cobradores, entre outras medidas.

20170811-jornal-sul21-mr-110817-0059-09-360x270

Entre as motivações do protesto, além da questão do transporte público municipal, estão também pautas de relevância estadual e nacional. “A reforma do ensino médio, a precarização, as reformas da previdência e do trabalho vão destruir a juventude com o tempo”, disse a estudante secundarista Iaia Moraes, que participa do Movimento Contestação.

No Rio Grande do Sul, disse ela, “Sartori vem tentando destruir a educação, parcelando salários de professores e servidores públicos. Nós, como estudantes, não aceitamos isso”, e, sobre a questão do transporte na cidade, afirmou que se trata de uma tentativa de Marchezan de “lucrar com as empresas” para garantir sua volta à prefeitura na próxima eleição. “O movimento estudantil está com força e voltou como em 2013”, avalia.

Passe livre

Embora não tenham ocorrido incidentes violentos, a manhã começou tensa, quando um protesto que bloqueava a rua Sarmento Leite, nas imediações do campus central da UFRGS, foi dispersado com bombas pela Brigada Militar.

Além de grêmios de escolas, organizações do movimento estudantil e de juventude, participaram também entidades sindicais como o Cpers, o Sindicato dos Rodoviários e o Sindicato dos Municipários, assim como parlamentares como a deputada Manuela D’Ávila (PCdoB) e o vereador Roberto Robaina (PSol), que discursaram no caminhão de som.

20170811-jornal-sul21-mr-110817-9980-02

O protesto dispersou um pouco depois das 11 horas, quando a chuva ficou forte. Às 18h o Bloco de Lutas faz ato novamente em frente à Prefeitura.

 

Fonte: Sul 21