Central Única de Trabalhadores

Municipários de Porto Alegre suspendem greve após Câmara de Vereadores entrar em recesso

17 julho, terça-feira, 2018 às 6:44 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Assembleia Simpa

Assembleia Simpa

Sul21 – Em assembleia realizada na tarde desta terça-feira (17), o Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa) decidiu encerrar a greve da categoria iniciada na última semana em protesto contra os projetos do governo Marchezan que haviam sido encaminhados para votação na Câmara de Vereadores.

Com a derrota do governo, por 22 a 6, no projeto que alterava as regras para a remuneração dos servidores e a entrada dos vereadores em recesso nesta segunda-feira (16), a categoria decidiu suspender a paralisação, convocando uma nova assembleia para o próximo dia 26, data em que voltará a analisar a situação em antecipação à retomada dos trabalhos na Câmara, prevista para o início de agosto.

Mesa do Simpa

Um dos diretores-gerais do Simpa, Alberto Terres explica que a deliberação pelo encerramento da greve se dá pela avaliação de que o momento agora é de “retornar para a categoria” para avaliar a situação e manter as condições para a mobilização quando os vereadores retornarem ao trabalho, em 1º de agosto.

A nova assembleia da categoria já está marcada para o dia 26, às 18h, na Casa do Gaúcho. A expectativa é de que, quando os trabalhos forem retomados, a Câmara aprecie primeiramente o projeto que muda as regras da previdência municipal, cuja discussão iniciou na segunda, mas foi interrompida diante do falecimento do pai do presidente da Casa, vereador Valter Nagelstein (MDB), o que levou ao encerramento da sessão.

Contudo, Terres avalia que as eleições que se avizinham podem interferir nas votações da Casa, visto que, dos 36 vereadores, pelo menos 20 serão candidatos. Para Terres, o Simpa foi vitorioso até o momento justamente por conseguir convencer vereadores até da base de Marchezan de que as políticas de ataque aos servidores também são um ataque às políticas públicas.

“Nós, para além da mobilização da categoria, estamos conversando com todos os vereadores e, nesse jogo de xadrez, discutimos todas as possibilidades, que vão desde a questão técnica, o prejuízo que representa para a cidade a tentativa de retirar os direitos históricos da categoria, e a conjuntura política”, afirma.

 
Fora Marchezan

Também foi definida a participação dos municipários em ato em apoio aos trabalhadores do Imesf nesta quarta-feira (18), a partir das 9h, na Secretaria Municipal da Saúde (SMS).

Outra decisão da categoria foi apoiar o processo de impeachment de Marchezan por improbidade administrativa e crime de responsabilidade, ingressado na Câmara no último dia 2 de julho, e que deverá ser apreciado após o recesso.

Votação

Com isso, fica mantida e será reforçada a consigna “Fora Marchezan”, como bandeira de luta no enfrentamento ao autoritarismo do governo, que vem promovendo a divisão da cidade e o desmonte dos serviços públicos em prejuízo da população e da categoria municipária.

Desta forma, a categoria deverá apoiar a instalação do processo de impeachment e pressionar os vereadores para que a análise seja célere, dentro dos parâmetros legais.

Além disso, a categoria definiu por buscar a criação de um amplo movimento em defesa da cidade, envolvendo servidores e diversos setores da sociedade, e exigir que a Câmara rejeite todos os projetos que atingem os servidores e os serviços públicos.

Simpa votando

 

Fonte: CUT-RS com Simpa e Luis Eduardo Gomes – Sul21