Central Única de Trabalhadores

Metalúrgicos do ABC se unem em defesa dos empregos e contra retirada de direitos

11 maio, quarta-feira, 2016 às 1:31 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

ABC protesta

ABC protesta

As ameaças de demissões na Mercedes, Volks e Ford preocupam o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, que já mobilizou os trabalhadores nas fábricas para resistir na luta em defesa dos em­pregos e contra a retirada de direitos.

“São mais de quatro mil empregos em ris­co que as três montadoras querem cortar nos próximos meses. Se as empresas insistirem nas demissões, o reflexo será impactante com des­dobramentos em toda a cadeia de autopeças”, ressaltou o presidente do Sindicato, Rafael Mar­ques. “Isso nós não vamos permitir. É preciso muita união dos metalúrgicos para enfrentar a situação”, prosseguiu.

(Foto: Adonis Guerra)

De acordo com o presidente, as assembleias nas fábricas vão continuar. “Além das demissões, as manifestações também são contra o avanço da onda de retrocessos trabalhistas com o golpe em curso no País”, disse.

No dia 4, os companheiros na Mercedes aprova­ram um dia de paralisação. O ato foi realizado após o presidente da montadora ter declarado à imprensa comercial, que não renovaria o Programa de Prote­ção ao Emprego, o PPE, e que existiam negociações em andamento, o que não aconteceu.

No dia seguinte, os trabalhadores na área ad­ministrativa na Volks aprovaram a disposição de luta em defesa dos empregos e o enfrentamento às ameaças aos direitos conquistados. A empresa alega que precisa fazer a reestruturação na área adminis­trativa com demissões de mais de mil mensalistas e indiretos.

Já na segunda-feira, dia 9, os trabalhadores horistas e mensalistas na Ford paralisaram a produção por 24h contra as demissões de mais de mil trabalhadores que a empresa quer fazer, além da extensa pauta de retirada de direitos apresentada pela fábrica.

(Foto: Adonis Guerra)

“O acirramento da crise econômica e política no Brasil só beneficia a cúpula do empresariado e isso reflete no avanço da pauta de retirada de direitos que os patrões querem impor aos traba­lhadores”, afirmou Rafael.

“O Sindicato está sempre aberto a negociar caminhos e medidas de retomada do cresci­mento. Mas que fique claro que os trabalhadores não aceitarão ameaças aos empregos, retirada de direitos e das condições de trabalho conquista­das”, disse.

Na pauta dos metalúrgicos do ABC, estão a de­fesa dos empregos, da democracia, pela retomada da economia, pelo Programa Nacional de Reno­vação da Frota, correção da tabela do Imposto de Renda, redução dos juros, contra a Reforma da Previdência, contra a precarização do trabalho e pela mudança na política econômica.

“Precisamos construir a resistência dos tra­balhadores com organização e unidade contra as graves ameaças aos nossos direitos”, concluiu.

 

Fonte: Sindicato dos Metalúrgicos do ABC