Central Única de Trabalhadores

Metalúrgicos da CUT-RS decidem organizar comitês nos sindicatos pela liberdade de Lula

12 abril, quinta-feira, 2018 às 5:48 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Metal em plenária

Metal em plenária

Em plenária estadual realizada na terça-feira (10), no auditório do Sindipolo, em Porto Alegre, os metalúrgicos do Rio Grande do Sul decidiram, por unanimidade, criar comitês nos sindicatos para debater com os trabalhadores formas de mobilização pela libertação do ex-presidente Lula e em defesa da democracia.

Lula está preso desde sábado (7), em Curitiba, após ter sido condenado sem provas e sem crime pelo juiz Sérgio Moro e Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

O encontro, promovido pela Federação dos Metalúrgicos do RS (FTMRS), reuniu representantes dos 29 sindicatos filiados, que também definiram a pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2018 que será encaminhada aos sindicatos patronais da categoria até o final do mês.

Lula Livre

Conforme resolução da CUT, “os sindicatos devem, junto com os movimentos populares, criar comitês nos bairros, nas universidades, nas escolas e locais de trabalho. Os comitês devem ser espaços de agitação e de propaganda que impulsionem e ampliem a campanha a favor da liberdade de Lula na sociedade. Este trabalho de base nas comunidades e o diálogo direto com a população são fundamentais”.

A criação de comitês foi aprovada após uma análise de conjuntura sobre a prisão injusta de Lula e as consequências drásticas que isso acarreta para a democracia e para os interesses da classe trabalhadora. Lula foi o melhor presidente na história do Brasil, lidera todas as pesquisas eleitorais e se comprometeu a revogar a antirreforma trabalhista do governo ilegítimo de Michel Temer (MDB).

Para a Federação, defender a libertação de Lula é defender a democracia, as garantias constitucionais e a classe trabalhadora. A mobilização junto aos trabalhadores é fundamental neste momento. O movimento exige a libertação de Lula e o direito de sua candidatura a presidente. Os comitês têm a missão de reunir os trabalhadores da base para debater e estabelecer ações concretas.

Assista ao vídeo sobre a criação dos comitês

TAC sobre a sustentação financeira

Na plenária, a advogada Lídia Woida e o advogado Lauro Magnago, informaram os dirigentes sindicais sobre a assinatura do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com o Ministério Público do Trabalho da 4ª Região, que estabelece regras para que os sindicatos dos metalúrgicos do Rio Grande do Sul definam com em assembleias da categoria a sustentação financeira das entidades.

Após as alterações estabelecidas pela chamada reforma trabalhista, através da Lei nº 13.467/2017, que retirou a compulsoriedade do recolhimento do Imposto Sindical, os metalúrgicos da CUT-RS optaram por não questionar junto ao Judiciário a manutenção do desconto.

Para o presidente da Federação, Jairo Carneiro, a assinatura do TAC é de extrema importância na medida que concede aos sindicatos um instrumento construído, por meio de um consistente embasamento legal, que permitirá que a sustentação financeira dos sindicatos seja estabelecida pelos próprios trabalhadores.

Clique aqui para acessar o TAC

A plenária também aprovou a prestação de contas da FTMRS e elegeu a comissão eleitoral do pleito para a nova direção da entidade, que acontecerá ainda no primeiro semestre do ano.

Metal reunidos

 

 

Fonte: CUT-RS cpm FTM-RS e Sindicato dos Metalúrgicos de Canoas