Central Única de Trabalhadores

Mais de 40 mil pessoas recepcionam Dilma em Belo Horizonte e protestam contra o golpe e em defesa da democracia

21 maio, sábado, 2016 às 6:17 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Dilma em BH2

Dilma em BH2

Numa noite “histórica e fenomenal” nesta sexta-feira (20), na descrição da presidenta da Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT/MG), Beatriz Cerqueira, cerca de 40 mil pessoas participaram do segundo ato “Fora, Temer”, em Belo Horizonte.

Os manifestantes, convocados e organizados pela Frente Brasil Popular Minas, saudaram a presidenta Dilma Rousseff, que esteve pela primeira vez na cidade após ser afastada do cargo pelo golpe em curso no país, e se solidarizaram com os artistas que ocupam a Fundação Nacional de Arte (Funarte), em protesto contra a extinção do Ministério da Cultura.

No momento mais emocionante, eles recepcionaram e reafirmaram o apoio à presidenta, na chegada dela ao Othon Palace Hotel para participar da abertura do 5° Encontro Nacional de Blogueiros e Ativistas  Digitais. Dilma falou aos manifestantes que, depois, soltaram milhares de balões vermelhos, antes de ir para Funarte.

Dilma em BH1

Os manifestantes se concentraram por volta das 17 horas, na Praça Afonso Arinos, e se solidarizaram com os estudantes da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que fazem parte da Ocupação Mata Machado, criada em defesa da democracia, contra a retirada de direitos e contra o golpe.

Eles cantaram “Fora, Temer”,  “Volta, Dilma”, “Golpistas, fascistas, não passarão”, e “O Temer vai ganhar uma passagem para sair desse lugar. Não é carro, nem de trem, nem de avião, é de camburão”, entre outras palavras de ordem.

Dirigentes sindicais e militantes de movimentos sociais e populares denunciaram o projeto de governo machista, racista, homofóbico e golpista do usurpador do poder Michel Temer, que tem propostas de Aécio Neves, derrotado nas eleições, que tiram diretos da classe trabalhadora, ameaçam o patrimônio público e a soberania nacional.

Dilma em BH3

Após falas de integrantes dos movimentos sindical, sociais, populares, estudantis e de lideranças sindicais e políticas, a marcha percorreu as ruas da capital mineira, para dialogar com a população, e se dirigiu ao Othon Palace Hotel para o encontro com a presidenta Dilma. Ela chegou por volta das 20 horas, quando uma multidão já ocupava a Rua Tupis e todas as pistas da Avenida Afonso Pena.

A presidenta recebeu abraços da multidão, acompanhada da presidenta da CUT/MG, outros dirigentes sindicais e políticos. “Eu agradeço a vocês pelo carinho, podem ter certeza que nós vamos resistir. Não vamos deixar que a democracia seja ferida. Essas primeiras medidas tomadas nesses oito dias mostraram retrocesso. Primeiro um ministério de senhores ricos e brancos, sem negros e mulheres. O que está em jogo, e sempre esteve em jogo, foram as conquistas sociais dos últimos 13 anos. Eu agradeço a vocês por essa energia, quero dizer para vocês obrigada, queridos”, afirmou Dilma, que foi ovacionada com gritos de “volta, querida” pelos integrantes da manifestação.

Fora Temer

Zeladora das conquistas, dos direitos e da democracia

“Eu não vou ficar presa no Palácio da Alvorada. Não há nenhuma justificativa para isso. Não vou ficar quieta, silenciosa. Eu conheço o governo, o que fiz e o que Lula fez. Vou acompanhar tudo com lupa. Agora vou mudar de profissão, vou ser zeladora das conquistas, dos direitos e da democracia. Meu governo e do presidente Lula mostrou que jamais reprimimos o movimento social. Sempre asseguramos o direito de expressão, mesmo contra nós”, afirmou Dilma na abertura do 5° Encontro Nacional de Blogueiros e Ativistas Digitais.

“Temo que esse governo não tenha a mesma prática e por isso serei ainda mais zeladora da democracia. Quero agradecer a Frente Brasil Popular, a Frente Povo Sem Medo, blogueiros e todos pela recepção aqui, hoje, que recebi em Belo horizonte, fiquei muito sensibilizada. Muito obrigada”, frisou a presidenta.

Dilma em BH

“Protagonizamos um dos maiores atos públicos de todos os tempos em Minas Gerais. Viemos para as ruas com as nossas camisas, nossas bandeiras. Belo Horizonte se vermelhou. A presidenta Dilma Rousseff é bem-vinda aqui, assim como todos os que defendem a democracia são bem-vindos. Nós viemos para ficar e faremos atos tantos quantos forem necessários”, afirmou Beatriz Cerqueira.

Os protestos contra o golpe e em defesa da democracia e dos direitos sociais vão continuar em Minas Gerais. Neste domingo (22), a manifestação será às 10 horas, na Praça do Cardoso, no Aglomerado da Serra. Na segunda-feira (23), às 19 horas, vai ser realizada plenária da Frente Brasil Popular Minas, no Sindieletro-MG (Rua Mucuri, 271, Bairro Floresta), para articulação de novas manifestações.