Central Única de Trabalhadores

Mais de 30 mil tomam as ruas de Porto Alegre em defesa da educação e contra reforma da Previdência

15 maio, quarta-feira, 2019 às 8:55 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Caminhada CPERS

32

Foi um dia histórico para a luta da classe trabalhadora. Em todo o país, os trabalhadores em educação e os estudantes acordaram o povo brasileiro, realizando um dia de greve nacional contra os absurdos cortes de verbas para escolas e universidades, anunciados pelo governo Bolsonaro, e em defesa da aposentadoria. No Rio Grande do sul não foi diferente.

Em Porto Alegre, mais de 30 mil pessoas tomaram as ruas para manifestações democráticas. Teve abraço simbólico ao Instituto de Educação, caminhadas e atos em frente ao INSS, na Esquina Democrática e na Faculdade de Educação (Faced) da UFRGS, dentre outros protestos. Além disso, houve paralisações e protestos em inúmeras cidades do interior do Estado. 

A mobilização também "esquentou" a organização da greve geral, marcada pelas centrais sindicais para o dia 14 de junho, para derrotar a reforma da Previdência.

Assista à fala do presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, na Esquina Democrática!

Confira a transmissão pela CUT Nacional da caminhada em Porto Alegre!

Leia a reportagem completa de textos e imagens do CPERS Sindicato! 

#15M: o dia em que a educação parou o Brasil

Nem os prognósticos mais otimistas previam o tamanho da onda que tomou as ruas de todo o Brasil nesta quarta-feira (15).

cpers1

Cpers2

Somente no Rio Grande do Sul, mais de 70 cidades realizaram atos para marcar a Greve Nacional da Educação, uma construção histórica que envolveu estudantes, educadores(as), pais, sindicatos e movimentos diversos.

Na capital, dezenas de milhares se uniram sob as bandeiras da defesa da educação, contra os cortes às universidades e institutos federais, e para manifestar repúdio à Reforma da Previdência.

“Hoje as ruas de Porto Alegre pertencem à resistência”, falou Helenir Aguiar Schürer, presidente do CPERS, aos manifestantes. “Mas não se engane quem pensa que vamos parar por aqui. Resistência não se faz em um dia apenas. Resistência a gente faz até a vitória”, concluiu, referindo-se à continuidade dos atos até a greve geral da classe trabalhadora, marcada para o dia 14 de junho.

O ato na cidade começou no início da tarde, com um abraço simbólico ao Instituto de Educação General Flores da Cunha e à Faced, da UFRGS ,e rapidamente tomou conta do centro da capital. Uma extensa caminhada paralisou o trânsito passando pela UFSCPA, o IFF Centro e o INSS, culminando na Esquina Democrática. Mas a mobilização não terminou.

Após falas das entidades, os presentes se dirigiram novamente à Faced, encontrando-se com universitários que convocaram ato para as 18h. A mobilização deve seguir noite adentro.

 

Além da pauta nacional, os(as) educadores(as) da rede estadual também cruzaram os braços em protesto pelos 41 meses de salários parcelados e mais de quatro anos sem reposição da inflação.

Em todo o estado, núcleos do CPERS participaram e organizaram atos juntamente à comunidade escolar e acadêmica.  Confira imagens das mobilizações.

Alegrete

Alegrete1Alegrete2

Alvorada

Bagé

 

Barra do Quaraí

Cachoeira do Sul

Cachoeira1

Camaquã

Camaquã1

Canguçu

Canoas

Capela de Santana

Capela1

Carazinho

Caxias do Sul

Chapada

Chapada1

Cruz Alta

Dom Pedrito

Erechim

Flores da Cunha

Frederico Westphalen

Guaíba

Ijuí

Ijuí2

Jóia

Lagoa Vermelha

Lajeado

Lajeado1

Livramento

Manoel Viana

Novo Hamburgo

Osório

Mata

Mata1

Passo Fundo

Passo1Passo2

Panambi

Panambi1

Pelotas

Rio Grande

Rolante

Rosário do Sul

Santo Ângelo

Santo Augusto

São Luiz Gonzaga

São Vicente do Sul

Santana do Livramento

Santana1

Santa Cruz do Sul

Santa Cruz1

Santa Maria

Santa Maria1

São Lourenço do Sul

Santa Rosa

São Borja

São Leopoldo

Soledade

Tapes

Vacaria

Viamão

Taquara

Uruguaiana

 

Fonte: CPERS Sindicato