Central Única dos Trabalhadores

Lançado projeto do deputado Villaverde que propõe cota de 20% para mulheres na segurança privada

17 outubro, segunda-feira, 2016 às 2:30 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Mulheres vigilantes

Mulheres vigilantes

Ao participar de palestra promovida pelo Sindicato dos Vigilantes do Sul sobre prevenção do câncer de mama neste Outubro Rosa, na manhã de sábado (15), em Porto Alegre, o deputado estadual Adão Villaverde apresentou o projeto de lei que estabelece que empresas prestadoras de serviços nas áreas de segurança, vigilância e transporte de valores contratadas pelo poder público reservem percentual mínimo de 20% das vagas para a contratação de mulheres.

O presidente do Sindivigilantes do Sul, Loreni Dias, agradeceu todo o apoio e o empenho do deputado Villaverde na defesa dos direitos dos trabalhadores. O evento contou com a presença da diretora do Sindivigilantes do Sul, Mariza Abrão, e da secretária de Formação da CUT-RS e diretora do Semapi, Maria Helena de Oliveira.

O PL foi protocolado na Assembleia Legislativa nesta segunda-feira (17) e, segundo o parlamentar, tem o objetivo de eliminar a histórica desigualdade de oportunidades e incentivar a inserção de mulheres numa área tradicionalmente ocupada por homens. De acordo com o Sindivigilantes do Sul, dos 3.079 associados da entidade, apenas 360 são mulheres.

Marisa vigilante

Lei Anticalote

Villaverde também é autor de outro projeto voltado aos trabalhadores terceirizados, o da Lei Anticalote (PL 96/2015). A proposta tem o objetivo de proteger os direitos desses trabalhadores das atividades meios, como, por exemplo, vigilantes, profissionais de limpeza, ascensoristas, vítimas dos intermediários maus patrões.

O projeto propõe que, por meio de depósito em conta vinculada, de banco público, oficial, os percentuais dos benefícios referentes a férias, 13º salário, INSS e multa do FGTS, evitando, assim, que as empresas terceirizadoras deixem de pagar, aplicando o calote nos seus trabalhadores, por má fé ou incompetências dos gestores, por falência ou simples desaparecimento da empresa.

Villaverde

 

 

Fonte: Sindivigilantes do Sul e Assembleia Legislativa

 

Texto: Diogo Baigorra