Central Única de Trabalhadores

Horário na TV é pouco para justificar o golpe, diz Gleisi sobre apoio de “centrão” a Alckmin

20 julho, sexta-feira, 2018 às 7:00 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Gleisi

Gleisi

RBA – A presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), disse não estar preocupada com o apoio do chamado “centrão”, bloco partidário conservador, ao tucano Geraldo Alckmin para a disputa da Presidência da República. “Acho que ainda é pouco o horário que ele vai ter na TV, pouco para justificar o golpe”, afirmou Gleisi durante plenária interestadual da CUT com sindicalistas de São Paulo e do Rio de Janeiro, na tarde desta sexta-feira (20), na quadra do Sindicato dos Bancários de São Paulo. Ela ratificou a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Alckmin é o candidato do Temer, da Globo, do pacto das velhas elites brasileiras”, acrescentou a senadora, para quem os adversário têm “medo” de Lula. A presidenta petista reafirmou que ele “estará no processo eleitoral e será candidato a presidente da República”. Pesquisa qualitativa divulgada hoje, durante reunião do partido, mostrou que “as pessoas não querem outro candidato para votar”.

Para Gleisi, o registro de candidatura de Lula, em 15 de agosto, em Brasília, seria “a coisa mais afrontosa que podemos fazer ao sistema”, uma demonstração de não reconhecimento da condenação do ex-presidente. “Estamos com a pré-campanha montada. Hoje, aprovamos as diretrizes.” Ela informou ainda que no dia do registro haverá manifestações em embaixadas brasileiras pelo mundo.

“Quem jogou o país na instabilidade foram eles”, disse a senadora. “Vários candidatos já concorreram, inclusive com registro suspenso”, acrescentou, chamando Lula de “próximo presidente da República”.

“Centrão” devia se chamar “direitão”

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ), líder da bancada, disse que esta não é uma eleição “comum”, mas aquela em que se pretende “derrotar o golpe”, e com essa perspectiva Lula é personagem central, “porque ele fala com o Brasil profundo”.

Ele ironizou o apoio do bloco conservador a Alckmin. “O ‘centrão’ devia se chamar ‘direitão’. Essa foi a decisão da burguesia brasileira”, comentou Lindbergh, destacando decisão desta semana do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que rejeitou pedido do Movimento Brasil Livre para declarar Lula inelegível desde já.

 

 

Fonte: Rede Brasil Atual (RBA)