Central Única de Trabalhadores

Haddad defende Ministério Público autônomo, enquanto Bolsonaro quer procurador alinhado

19 outubro, sexta-feira, 2018 às 12:11 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Haddad falando

Haddad falando

RBA – O candidato à Presidência da República Fernando Haddad (PT) garantiu na quarta-feira (17) que vai manter a independência dos procuradores do Ministério Público Federal em indicar o Procurador-Geral da República, por meio de eleição em lista tríplice, conforme feito desde o primeiro governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“É uma conquista importante que se tornou uma cultura de ouvir a categoria para escolha do procurador-geral. Não atender essa indicação coloca em risco uma das conquistas mais importantes do período recente”, afirmou Haddad, após reunião com líderes evangélicos, no centro de São Paulo.

Em entrevista concedida ontem, o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, não se comprometeu com a lista tríplice escolhida pelos procuradores para assumir a Procuradoria-Geral da República (PGR). E deixou claro que vai escolher alguém alinhado com ideais políticos de direita.

“É alguém que esteja livre do viés ideológico de esquerda, que não tenha feito carreira em cima disso. Que não seja um ativista no passado por certas questões nacionais. (…) Que tenha realmente uma visão macro e que respeite também a Constituição e os parlamentares que têm imunidade por suas opiniões palavras e votos”, afirmou.

A PGR já se posicionou contra uma das principais propostas de Bolsonaro: o excludente de ilicitude, que seria uma “carta branca” para a polícia matar sem qualquer investigação posterior. Para a procuradoria, já existe a figura da legítima defesa e eliminar qualquer investigação na atuação policial não melhora a segurança. “Qualquer um pode dizer que é legítima defesa, mas, para comprovar, é preciso investigar”, disse ao jornal O Globo a subprocuradora-geral da República Luiza Frischeisen, coordenadora da Câmara Criminal da PGR.

“Nós já temos uma das polícias que mais mata e mais morre no mundo. Dificilmente essa proposta vai passar porque contraria a Constituição. Nós estamos propondo estabelecer o Sistema Único da Segurança Pública e que a Polícia Federal assuma o ciclo completo de alguns tipos de investigação, como no caso do crime organizado”, afirmou o candidato do PT.

Haddad cobrou uma postura mais firme da imprensa na condenação da violência que tem ocorrido no período eleitoral. Ontem, uma travesti foi morta a facadas no centro de São Paulo por apoiadores de Bolsonaro. É o terceiro assassinato efetuado por seguidores do candidato do PSL. E já passam de 70 os casos de violência registrados. “Em 2014, por uma fração minúscula de violência, coisas de debate eleitoral, se criou uma imensa polêmica entorno da eleição. Agora a violência parece que está liberada. Ninguém se manifesta, ninguém se preocupa. Vamos colher o que estamos plantando, aliás, já estamos colhendo.”

O candidato do PT fez referência a confrontos entre militantes tucanos e petistas ocorridas no centro de São Paulo, poucos dias antes do segundo turno da eleição presidencial de 2014, entre Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB). Pediu também maior empenho no desmentido às mentiras espalhadas nas redes sociais, contra as quais já conseguiu pouco mais de 50 determinações judiciais do Tribunal Superior Eleitoral para remoção de conteúdo falso. Foi para auxiliar na desconstrução da campanha de calúnias que o petista foi recebido por líderes evangélicos.

“Era nosso dever trazer o candidato aqui para dialogar diretamente com nossos irmãos, olho no olho. Não queremos um presidente que se sustente pelas mentiras”, afirmou o pastor evangélico Ariovaldo Ramos. “Estamos assistindo uma tempestade de calúnias e notícias falsas. Isso não combina com a nossa fé, nem com a nossa maneira de viver. Tínhamos de dar a ele o direito de responder ao nosso povo sobre as questões que estão sendo usadas para difamá-lo, não lhe dando sequer o direito de resposta”, completou.

Haddad também contrapôs a proposta da campanha de Bolsonaro de abrir uma nova frente de desmatamento na Amazônia. “Nossa proposta para a Amazônia é atingir o desmatamento zero. Nós entendemos que o Brasil tem terra suficiente para, pelo aumento da produtividade com tecnologia, produzir muito mais emprego, exportação e renda. Especialistas são muito claros em dizer que a proposta do meu adversário compromete a floresta. Se ele for eleito, é o começo do fim da Amazônia”, afirmou.

 

 

Fonte:  Rede Brasil Atual (RBA)