Central Única dos Trabalhadores

Governo frustra expectativas da CUT-RS ao dizer que ainda não tem proposta de reajuste do salário mínimo regional

18 novembro, quarta-feira, 2015 às 1:45 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Audiência com Biolchi

Audiência com Biolchi

Em audiência ocorrida no final da manhã desta quarta-feira (18) no Palácio Piratini, o secretário estadual da Casa Civil, Márcio Biolchi, frustrou as expectativas da CUT-RS ao dizer que o governo Sartori ainda não tem uma proposta de reajuste para o salário mínimo regional para ser encaminhada à Assembleia Legislativa. Ele recebeu também a reivindicação das centrais sindicais, junto com o parecer elaborado pelo Dieese, que prevê um reajuste de 11,55% a partir de 1º de janeiro de 2016.

O índice representa a inflação projetada pelo INPC do último período e aumento real. Só o INPC acumulado dos últimos 12 meses entre 1º de novembro de 2014 e 31 de outubro de 2015 foi de 10,33%.

Após ouvir os dirigentes da CUT-RS e das centrais, Biolchi pediu que as entidades marquem audiências com os secretários Cristiano Tatsch, do Planejamento, Mobilidade e Desenvolvimento Regional, e Fábio Branco, do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, que farão um estudo com o secretário Miki Breier, do Trabalho e Desenvolvimento Social, com quem as centrais já estiveram reunidas no dia 13 de setembro. Na ocasião, Breier recebeu a reivindicação das centrais, tendo ficado de levá-la ao governador José Ivo Sartori.

Biolchi frisou que, só depois de fazer esse estudo, o governo pretende definir uma proposta de reajuste para ser enviada aos deputados.

Biolchi recebe

“Saímos muito frustrados porque já era tempo de o governo Sartori ter construído uma proposta, pois o secretário do Trabalho recebeu a reivindicação do movimento sindical há mais de dois meses”, criticou o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo.

As centrais irão protocolar ainda nesta quarta-feira as solicitações de audiências com os dois secretários. “Esperamos que essas reuniões ocorram dentro da maior brevidade possível, pois esse assunto não pode ser empurrado com a barriga, na medida em que envolve o reajuste dos salários de cerca de 1,5 milhão de trabalhadores gaúchos”, salienta o dirigente sindical.

“O governo tem que agilizar a definição da sua proposta de reajuste do mínimo regional, pois é preciso fazer com que seja logo enviada em regime de urgência aos deputados para ser debatida e aprovada até o dia 22 de dezembro, quando terminará o ano legislativo, de modo que os novos valores passam a ser aplicados a partir de janeiro de 2016”, defende o secretário de Relações do Trabalho da CUT-RS, Antônio Guntzel.

Audiência com Biolchi1

Mobilização

“Com essa demora do governo, ganha ainda maior importância a realização das seis audiências públicas no interior do Estado, finalmente aprovadas nesta quarta-feira na Comissão de Economia da Assembleia Legislativa, para debater com a sociedade a valorização do mínimo regional como forma de aquecer o consumo e aumentar a produção, contribuindo para fazer o Rio Grande crescer”,  destaca Antônio.

“Chamamos desde já os sindicatos e as federações a mobilizarem os trabalhadores para que participem ativamente das audiências públicas. Precisamos mostrar o significado do mínimo regional para a vida do trabalhador e para girar a roda da economia gaúcha com distribuição de renda e desenvolvimento econômico e social”, aponta Claudir.

Estiveram também presentes na audiência com Biolchi representantes da CUT, CTB, Nova Central, Força Sindical, UGT e CGTB, bem como o diretor técnico do Dieese, Ricardo Franzói.

Ainda acompanharam o encontro os deputados Nelsinho Metalúrgico (PT), Álvaro Boessio (PMDB), Elton Weber (PSB) e Mário Jardel (PSD).

ADESIVO piso regional

 

Fonte: CUT-RS