Central Única de Trabalhadores

Generais poderão ganhar quase o mesmo que o presidente da República

21 março, quinta-feira, 2019 às 7:23 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Generais beneficiados

Generais beneficiados

Os militares com os mais altos salários poderão ganhar ainda mais, caso a proposta de reforma da Previdência das Forças Armadas, enviada nessa quarta-feira (20) por Jair Bolsonaro (PSL) ao Congresso Nacional, seja aprovada pelos parlamentares. É que o texto contém uma proposta de reformulação das carreiras com generosos aumentos nas gratificações.

Pela proposta, os salários de generais do Exército, almirantes da Marinha e tenentes-brigadeiros (R$ 22.631,28 com gratificações), subirão para R$ 30.175,04, um aumento de 33,33%, segundo informações do jornal Folha de S. Paulo. O novo valor é bem próximo ao salário do presidente da República, que atualmente é R$ 30.934.

O maior aumento previsto na proposta de Bolsonaro será sobre o adicional de habilitação, que vai subir de 30% para 73%. O adicional de gratificação que esses militares de alta patente também já recebem vai continuar com o percentual de 10%. Além disso, a proposta prevê a criação do adicional de disponibilidade militar, que será de 41%. Neste caso, os militares terão a difícil tarefa de escolher entre o adicional de tempo de serviço (28%) e o de disponibilidade (41%).

Todos esses percentuais incidem sobre o salário-base, o soldo – nome dado à remuneração dos militares –, que varia de R$ 14.031 a R$ 12.490 entre os maiores postos das Forças Armadas.

Se a proposta for aprovada, a renda extra do adicional de habilitação será de R$ 9.833,83. Já com o adicional de disponibilidade militar e a gratificação de representação serão mais R$ 5.523,11 e R$ 1.347,10, respectivamente no bolso dos militares. Com isso, o valor final totalizará R$ 30.175,04.

Combate ao privilégio?

A proposta dos militares enviada ontem por Bolsonaro revela a contradição entre o que o governo diz e o que faz. Há um mês, quando levou ao Congresso a dura proposta de reforma da Previdência dos trabalhadores e trabalhadoras da iniciativa privada e do setor público, o governo disse que o corte nos gastos com a reforma da Previdência dos militares seria de R$ 92,3 bilhões em dez anos.

No texto apresentado ontem, a economia caiu para R$ 10,45 bilhões em dez anos e a remuneração dos militares aumentou.

Apesar de representarem apenas 31% do quadro do funcionalismo, hoje o déficit com pensões e aposentadorias para cerca de 300 mil militares reformados e pensionistas é de R$ 43,9 bilhões. O valor é praticamente o mesmo (R$ 46,5 bilhões) que a União despende com 680 mil servidores do regime civil que recebem benefícios do INSS.

Os dados são do Relatório de Acompanhamento Fiscal do Senado Federal de março de 2019.

Saiba mais

Bolsonaro beneficia militares com aumentos e gratificações. Cadê a reforma?

 

 

Fonte: CUT Nacional