Central Única dos Trabalhadores

Em seminário, centrais sindicais e MPT debatem ações conjuntas na defesa dos trabalhadores

3 julho, sexta-feira, 2015 às 4:26 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

mpt2

Na manhã desta sexta-feira, 03, a CUT-RS participou do Seminário Trabalho, Ação Coletiva e Democracia, promovido pelo Ministério Público do Trabalho em parceria com as centrais sindicais.

O evento teve como objetivo debater o papel da ampliação de direitos através das organizações de representação coletiva dos trabalhadores como possibilidade de fortalecimento da democracia. Além de socializar experiências e sua fundamentação teórica que ressalte o Ministério Público como agente de ampliação dos direitos do trabalho no Brasil e no Rio Grande do Sul.

Após a mesa de abertura foram realizados os painéis “A ação coletiva dos trabalhadores através das organizações sindicais faz bem à democracia brasileira?” e “O papel do Ministério Público na garantia e ampliação do Direito do Trabalho”. Foi apresentado histórico do movimento sindical brasileiro no século 20 e 21, em paralelo à economia brasileira do período.

Participaram o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo; o representante da Agetra,  Antônio Escosteguy Castro; o desembargador federal do Trabalho Luiz Alberto de Vargas, e o coordenador nacional da Coordenadoria Nacional de Promoção da Liberdade Sindical (Conalis), procurador do Trabalho Francisco Gerson Marques de Lima. O procurador-chefe do MPT/RS, Fabiano Holz Beserra, coordenou o debate.

De acordo com Nespolo, foi a primeira vez que o MPT se dispôs a participar de um diálogo com o movimento sindical com uma grande representatividade de procuradores. “Isso foi um estímulo para o debate. Foi uma oportunidade de expor nossa divergência na atuação do MP em alguns aspectos. Mas reconhecemos o importante trabalho que tem fazendo no combate ao trabalho precário e escravo”, disse.

WP_20150703_013

O dirigente também destacou a postura do MPT em relação à precarização do trabalho nas indústrias de alimentação, principalmente nos frigoríficos, e a resistência ao enfrentar os ataques patronais à NR 12.

O secretário de Relações do Trabalho da CUT-RS, Antônio Guntzel, relatou que foi consenso entre os participantes que as centrais sindicais e o MPT devem ampliar o diálogo para avançar na defesa dos trabalhadores.

Foi sugerido a elaboração de um Código de Conduta para nortear as ações conjuntas entre o sindicalismo e o MPT para caminharem juntos  em prol dos direitos trabalhistas.

Além da CUT-RS, também estavam presentes dirigentes da CTB, UGT e Força Sindical.

Por: Renata Machado (CUT-RS)