Central Única dos Trabalhadores

Desmonte da Petrobras está na contramão do mundo, afirma ex-presidente Gabrielli

10 fevereiro, segunda-feira, 2020 às 12:41 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Gabrielli (2)

Gabrielli (2)

RBA – A gestão da Petrobras sob o governo ultraconservador de Jair Bolsonaro está na contramão das tendências do setor de petróleo no mundo. É o que defende o ex-presidente da estatal José Sergio Gabrielli, que atuou na empresa durante os governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, de 2005 a 2012, sendo o mais longevo presidente da história da companhia.

“A empresa está sendo fatiada, vendida aos pedaços. E isso vai na contramão do que as grandes empresas de petróleo estão fazendo no mundo. A maior parte das grandes empresas do mundo, sejam estatais ou privadas, são integradas, produzem petróleo, refinam, distribuem derivados, trabalham em todos os segmentos da cadeia de petróleo e gás. E a maior parte das reservas mundiais são estatais, 90% das reservas conhecidas no mundo estão na mão de Estados ou de empresas estatais”, avalia, ao participar do programa Entre Vistas, que vai ao ar na quinta-feira (6), às 22h, na TVT, com apresentação do jornalista Juca Kfouri.

“Mas a Petrobras está fazendo o contrário, está saindo de vários segmentos e se concentrando apenas no que tem de pré-sal brasileiro”, acrescenta Gabrielli, ao criticar o processo de desmonte tocado pelo governo Bolsonaro.

Também participam a jornalista Nara Lacerda, repórter do Brasil de Fato, e a diretora do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região Rita Berlofa. Durante o programa, Gabrielli avalia a importância estratégica da empresa e sua inserção no cenário geopolítico global, que ganhou importância com a descoberta das reservas do pré-sal, em 2006.

“Em primeiro lugar nós temos que reconhecer que temos no Brasil um imenso potencial de riqueza, que é o pré-sal brasileiro. É a maior descoberta de novas áreas de petróleo nos últimos 15 anos no mundo. Isso fez com que o Brasil entrasse no radar do interesse das grandes potências internacionais”, afirma.

“As duas grandes potências que efetivamente estão disputando o pré-sal brasileiro são os Estados Unidos e a China”, analisa o ex-presidente. “Por mais que nós tenhamos a perspectiva de no futuro ter uma substituição do petróleo, ele ainda continuará sendo fundamental, particularmente para o transporte, nas próximas décadas. É um produto estratégico, que leva a guerras, ações militares, a diplomacia mundial se movimenta em torno do acesso ao petróleo. Estamos vivendo concretamente isso com a crise do Oriente Médio, o terrorismo, a própria migração intensa para a Europa, todos esses fenômenos atuais têm alguma relação com o petróleo.”

Gabrielli lembra que em 2010, o Congresso aprovou um conjunto de leis que estabeleciam relações para garantir esse controle para a economia brasileira, inclusive a criação do fundo social que capturaria toda a receita que o Estado tivesse com o petróleo e colocaria 75% para a educação.

“Mas esse processo todo está sendo desmontado. E do ponto de vista regulatório há uma mudança muito substantiva e se desmonta a possibilidade de financiamento da educação a partir do petróleo e se desmonta a política de conteúdo nacional que viabilizaria a criação de empregos e expansão de fornecedores da cadeia produtiva de petróleo no Brasil”, apontou.

Assista à entrevista de Gabrielli

 

Fonte: Rede Brasil Atual (RBA)