Central Única de Trabalhadores do Estado do Rio Grande do Sul

Desemprego cresce e atinge 9,1% no Rio Grande do Sul no primeiro trimestre, aponta IBGE

19 maio, sexta-feira, 2017 às 2:17 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

carteiras2

carteiras2

O aumento de 1,6% da taxa de desemprego no Rio Grande do Sul, na comparação do primeiro trimestre de 2017 (9,1%) frente ao mesmo período em 2016 (7,5%), foi o maior da série de pesquisas realizadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) desde 2012.

Comparando com outros estados brasileiros, no entanto, a variação foi uma das menores, perdendo somente para Mato Grosso (1,4%) e Rondônia (0,5%). Ao verificar o crescimento do número de desempregados no País, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua – trimestral para o Brasil, grandes regiões e unidades da Federação, referente ao primeiro trimestre de 2017 – apontou que a maior alta ocorreu no Acre, onde a taxa de desemprego pulou de 8,7% no primeiro trimestre de 2016 para 15,9% no mesmo período do ano vigente.

Aumento do trabalho informal

De acordo com o coordenador da pesquisa no Rio Grande do Sul, Walter Paulo Rodrigues, também houve aumento do trabalho informal em todo o País. Somente em Porto Alegre, a redução do número de pessoas que trabalham com carteira assinada foi de 1,1%. “Somente oito capitais brasileiras registraram aumento no número de pessoas com carteira de trabalho assinada”, comenta Rodrigues. “Desde 2015 que a taxa de desocupação vem crescendo, e, com ela, número de pessoas que estão fora da cobertura trabalhista e previdenciária”, completa.

Os dados da pesquisa mostram que, no primeiro trimestre de 2016, o Estado tinha 293 mil empregadores, e que este número aumentou para 351 mil nos primeiros três meses de 2017. “Muita gente que perdeu emprego começou a trabalhar por conta própria ou como empregador”, explica o coordenador no Rio Grande do Sul.

A Região Metropolitana de Porto Alegre também registrou alta da taxa de desemprego, passando de 8,3% nos primeiros três meses do ano passado para 10,9%, no primeiro trimestre deste ano.

Na Capital, o índice também subiu: de 8,75% para 10%. “Uma série de fatores levou ao desemprego, a maioria vinculada à crise econômica”, comenta Rodrigues. No Rio Grande do Sul, por exemplo, o fechamento do Polo Naval foi um dos motivos do impacto no nível de emprego.

15,8% de taxa de desocupação no RS

Atualmente, o Estado mantém empregada no setor privado 49,8% da sua força de trabalho (excluindo os trabalhadores domésticos, que são 5,8%), enquanto que o setor público emprega 11,4% da população ativa, e os empregadores e os que trabalham por conta própria representam, respectivamente, 6,3% e 22,7% da força de trabalho. “Os trabalhadores familiares auxiliares somam 3,9%”, completa o coordenador.

O Brasil possui 14 milhões de desocupados (pessoas que estão no mercado a procura de emprego), somando 13,7% da força de trabalho ativa. Considerando ainda aqueles que trabalham menos de 40 horas e a força de trabalho potencial (indivíduos que querem trabalhar, mas não estão trabalhando, nem procurando emprego por algum impedimento de saúde ou outro motivo pessoal), este total é de 24,1% no Brasil, 15,8% no Rio Grande do Sul, 16,1% na Região Metropolitana de Porto Alegre e 15,9% na Capital.

Renda

Ainda de acordo com a pesquisa, o rendimento médio real habitual dos trabalhadores está acima da média (R$ 2.110,00) no Brasil nas regiões Sudeste (R$ 2.425,00), Centro-Oeste (R$ 2.355,00) e Sul (R$ 2.281,00), enquanto no Nordeste (R$ 1.449,00) e no Norte (R$ 1.602,00) o rendimento está abaixo da média.

Na comparação entre as grandes regiões, do quarto trimestre de 2016 para o primeiro trimestre de 2017, ocorreu variação positiva no rendimento nas regiões Norte (2,6%) e Nordeste (3%), enquanto nas demais o quadro foi de estabilidade. Em relação ao primeiro trimestre de 2016, apenas para as regiões Nordeste (4%) e Sul (4,4%) foram observados aumentos do rendimento, enquanto nas demais regiões não foram registradas variações significativas no rendimento.

A massa de rendimento médio real habitual dos ocupados (R$ 182,9 bilhões para o País como um todo) com maior registro regional no Sudeste (R$ 95,1 bilhões).

 

Fonte: Jornal do Comércio