Central Única dos Trabalhadores

Deputados da base aliada do governo Leite querem acabar com salário mínimo regional

9 outubro, sexta-feira, 2020 às 6:13 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Ato na Assembleia1

Ato na Assembleia1

Por incrível que pareça, as bancadas da base do governador Eduardo Leite (PSDB) decidiram que votarão contra o projeto de reajuste de 4,5% do salário mínimo regional, para repor a inflação do ano passado, encaminhado pelo próprio governador para a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. A votação em plenário está prevista para a próxima quarta-feira (14).

Indignadas com o descaso dos deputados estaduais governistas com os trabalhadores e as trabalhadores que ganham menos no Estado, a CUT-RS e as centrais sindicais divulgaram nesta sexta-feira (9) uma nota de denúncia ao povo gaúcho e reforçam a necessidade de pressionar os parlamentares para que aprovem o projeto de reajuste do chamado piso regional.

Leia a íntegra da nota das centrais sindicais!  

Deputados estaduais governistas querem acabar com o Salário Mínimo Regional. Você vai deixar?

Pressionados por entidades patronais como FECOMÉRCIO, FARSUL e FIERGS, deputados da base do Governo Leite, reunidos nesta quinta-feira (8) à noite, decidiram acabar com o Salário Mínimo Regional, negando o repasse da inflação de 4,5% e mantendo o mesmo congelado por um ano.

O Mínimo Regional atinge mais de 1,3 milhão de trabalhadores, como domésticos, rurais e dos serviços, exatamente os que menos ganham e mais precisam.

Reclamam que se derem aumento terão que demitir, o que não é verdade, uma vez que já fizeram a redução de seu quadro de funcionários e, para as empresas que se encontram em dificuldades, a legislação permite, através da Lei 14.020, a possibilidade de suspensão de contrato e de redução de 25% a 75% dos salários, além de suspender e parcelar o FGTS em 6 vezes e adiar o pagamento do INSS Patronal.

O espantoso e absurdo é que as mesmas entidades patronais, que pressionam para acabar com o Mínimo Regional e para não conceder aumento, são as que representam aqueles que nos últimos 12 meses reajustaram em 20,64% a cesta básica consumida por esses trabalhadores que irão ter reajuste zero.

A cesta básica passou de R$ 458,00 em setembro de 2019 para R$ 552,00 em setembro de 2020, resultando num crescimento de R$ 96, revelando que o reajuste proposto do Governador, e que agora os deputados da bancada que apoia o Governo querem zerar, ficará muito longe do necessário, visto que os aumentos dos pisos ficarão entre R$ 55 e R$ 70.

Quem ganha o piso mínimo, gastaria 46% só para comprar a cesta básica, fora água, luz, transporte, vestuário e outros gastos.

Afinal, a conjuntura econômica está tão ruim assim? Não é o que mostram os dados recentes do IBGE. Indústria e comércio crescem pelo 4º mês consecutivo. Nos meses de maio a agosto, a indústria do Rio Grande do Sul cresceu + 17%, +13,2%; +8,3% e +5,2%, respectivamente, e o comércio + 26,7%, +2,2%, +1,6% e 3,3%.

TRABALHADOR: VOCÊ VAI PERMITIR QUE SEU DEPUTADO OU DEPUTADA ESTADUAL ACABE COM O SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL?

Vamos denunciar esta barbaridade e pressionar os deputados para aprovarem o projeto de lei nº 35/2020, que estabelece o repasse da inflação ao Salário Mínimo Regional. Isso é o mínimo, o resto é vergonha.

 

Clique aqui para ver o celular e o e-mail de cada deputado e pressione já.

 

Fonte: CUT-RS