Central Única de Trabalhadores

CUT-RS repudia capa e reportagem machista e mentirosa da revista IstoÉ

4 abril, segunda-feira, 2016 às 4:30 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

94505d52-5dfc-4908-a213-bd137fd75608

94505d52-5dfc-4908-a213-bd137fd75608

A CUT-RS repudia com veemência a capa e a reportagem difamatória, machista e mentirosa da edição da primeira semana de abril da revista IstoÉ, que começou a circular no último sábado (2). Citando episódios inverídicos de descontrole emocional da presidenta Dilma Rousseff, a publicação chega a compará-la a Maria I, a Louca, rainha de Portugal no fim do século 18.

A revista usou na capa uma foto de Dilma totalmente fora de contexto. A imagem utilizada é da presidenta comemorando um gol da seleção, durante o jogo Brasil e Croácia, disputado na Copa do Mundo de 2014.

“Mais uma vez a mídia golpista manipulou uma imagem da presidenta e criou uma matéria desrespeitosa, leviana e com acusações falsas, que atacam não somente a Dilma, mas ofendem a dignidade de todas as mulheres brasileiras”, protesta a secretária de Mulheres da CUT-RS, Ísis Marques.

Para ela, a grande mídia sempre tenta distorcer a imagem de Dilma. “Nós condenamos a forma como os grandes meios de comunicação tratam a primeira mulher eleita e reeleita presidenta do Brasil. Vivemos numa sociedade machista, que não valoriza a mulher e costuma transformar as lideranças femininas em loucas e histéricas, o que é inaceitável”, lamenta Isis.

istoe-dilma-estado-de-nervos

AGU quer direito de resposta

A Advocacia Geral da União (AGU) divulgou uma nota em que defende a abertura de inquérito, através do Ministério da Justiça, para apurar crimes de ofensa praticados pela revista IstoÉ. A AGU também pretende invocar a Lei de Direito de Resposta para garantir, junto ao Poder Judiciário, o mesmo espaço na revista à difusão de informações inverídicas e acusações levianas.

No mesmo comunicado, a AGU informa que advogados particulares de Dilma também estudam medidas para o ressarcimento dos danos morais causados.

Ato-relâmpago

Um ato-relâmpago contra o golpe e a favor do mandato constitucional da presidenta Dilma foi promovido ao meio-dia desta segunda-feira (4) por um grupo de mulheres, feministas e sindicalistas, na Esquina Democrática, no Centro de Porto Alegre. As participantes conversaram com a população e gritaram palavras de ordem como “golpistas, fascistas, não passarão”.

Ato relâmpago1

Para diretora da Fetrafi-RS, Denise Falkemberg Correia, “este é mais um ato em defesa da democracia. E é importante destacar que sempre que existe um golpe de estado um dos primeiros setores a ser atingido e a perder direitos é exatamente o das mulheres. Por essas e outras, não vamos sair das ruas enquanto a Constituição não for respeitada”, completou.

Defesa da democracia

Ísis salienta que o ataque sofrido por Dilma não irá esmorecer a luta da CUT-RS e das mulheres. “Nós vamos continuar firmes e atuantes na defesa intransigente da democracia e combatendo o machismo para conquistarmos uma sociedade justa e igualitária”, conclui a dirigente sindical.

 

Fotos: Sindicato dos Bancários de Porto Alegre

 

Fonte: CUT-RS