Central Única dos Trabalhadores

CUT-RS promove live nesta quarta sobre verdade e mentiras da reforma administrativa de Bolsonaro

23 setembro, quarta-feira, 2020 às 5:10 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Live - capa 2309

Live - 2309

A CUT-RS promove nesta quarta-feira (23), às 19h, uma live sobre a verdade e as mentiras da reforma administrativa do presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL), e do ministro da Economia, Paulo Guedes, que desmonta o serviço público federal, estadual e municipal, abrindo caminho para a privatização.

Para responder as dúvidas sobre o conteúdo perverso e mentiroso da PEC 32/2020, participará o advogado Marcos Rogério de Souza, integrante da Associação de Juristas pela Democracia e assessor jurídico da liderança do PT no Senado. A mediação será feita pelo presidente da CUT-RS, Amarildo Cenci.

A transmissão será realizada de forma simultânea nas páginas da CUT-RS e CUT Brasil pelo Facebook, com publicação cruzada em diversos sindicatos e parcerias.

Querem privatizar o Estado

“A reforma impõe medidas que têm o objetivo de privatizar o Estado, reduzir investimentos, minar políticas de combate à desigualdade e transformar a oferta pública e gratuita de serviços em mercadoria privada. O texto enviado ao Congresso Nacional altera significativamente as carreiras dos servidores, permitindo que um governante tenha um controle injusto sobre as indicações de profissionais, contrariando a lógica dos concursos públicos e da autonomia profissional dentro das repartições”, destaca Amarildo.

“Servidor público trabalha para o povo, não para um governo específico. A estabilidade permite que ele tenha autonomia para agir sem temer algum tipo de represália ou perseguição por sua conduta profissional”, explica.  

De acordo com o dirigente da CUT-RS, há uma mentira sendo espalhada como verdade junto às camadas médias da população e que precisa ser desfeita. “Não é verdade que os servidores públicos são privilegiados, com salários muito superiores aos trabalhadores da iniciativa privada.”

“Em sua grande maioria, o funcionalismo público possui curso superior completo e foi admitido em sua função através de concorridos processos seletivos. Se formos comparar o rendimento médio de alguém, que atua na inciativa privada com os vencimentos de um funcionário público, percebemos que o último ganha menos do que alguém que trabalha em um escritório de alguma empresa particular, como é o caso de muito professor da rede estadual de ensino”, exemplifica.

“Convidamos a todos os sindicatos filiados para participarem. Estamos montando perguntas para serem respondidas na live, como a questão da estabilidade, do plano de carreira, dos contratos por tempo determinado ou indeterminado e, o mais importante, se a medida afetará a todos os servidores ou se poupará alguma categoria”, ressalta Amarildo.

Participante

Marcos Rogério de Souza

É mestre e bacharel em Direito pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) e especialista em Direito Constitucional pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IBD). Foi professor de Direito Constitucional da Uniplan, UniP e UDF e Chefe de Gabinete da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, durante a gestão de Fernando Haddad. Atualmente é integrante da Associação de Juristas pela Democracia e assessor da liderança do PT no Senado.

Mediação

Amarildo Cenci

É presidente da CUT-RS e diretor do Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinpro-RS).

 

 

Fonte: CUT-RS