Central Única dos Trabalhadores

CUT-RS exige projeto de Sartori para reajuste do mínimo regional na audiência pública em Passo Fundo

22 dezembro, terça-feira, 2015 às 12:43 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Passo Fundo1

Passo Fundo1

A CUT-RS exigiu que o governador José Ivo Sartori (PMDB) agende o quanto antes uma audiência com as centrais sindicais, já solicitada há vários meses, e encaminhe um projeto de lei sobre o reajuste do salário mínimo regional a partir de janeiro de 2016 para a Assembleia Legislativa, durante a quinta audiência pública que debateu o assunto, ocorrida na noite desta segunda-feira (21) na Câmara de Vereadores de Passo Fundo. Os encontros anteriores foram realizados em Santa Maria, Novo Hamburgo, Caxias do Sul e Pelotas.

A reunião foi promovida pela Comissão de Economia, Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, a partir de proposta apresentada pelo deputado Nelsinho Metalúrgico (PT). Quem presidiu os debates foi o deputado Juliano Roso (PCdoB).

Enrolação

O secretário de Relações de Trabalho da CUT-RS, Antônio Güntzel, voltou a criticar “a enrolação do governo Sartori, que vem empurrando com a barriga” o reajuste do chamado piso regional desde outubro.

“Marcaram reuniões com o chefe da Casa Civil e com três secretários estaduais, que não trouxeram avanços. Aí agendaram três negociações com dirigentes de federações patronais, que também não andaram diante da intransigência dos empresários”, destacou Antônio, durante a audiência que reuniu cerca de 100 militantes da CUT, CTB e Nova Central, além de representantes de sindicatos dos metalúrgicos, rodoviários, vigilantes, trabalhadores na alimentação e na saúde, dentre outros.

“Agora o ano está terminando e o recesso do parlamento começa nesta terça-feira (22), mas o governador ainda não recebeu as centrais nem enviou um projeto para debate e votação dos deputados”, apontou o dirigente da CUT-RS.

Passo Fundo

Reajuste de 11,55% já!

As centrais sindicais reivindicam 11,55% de aumento no chamado piso regional.  O índice significa a reposição da inflação projetada no período e ganho real. O INPC acumulado dos últimos 12 meses, entre 1º de dezembro de 2014 e 30 de novembro de 2015, foi de 10,97%.

“O índice reivindicado representa praticamente a reposição da inflação do período, que precisa ser reposta para manter o poder de compra dos salários. Além disso, queremos aumento real, como forma de estimular o consumo e a produção para ajudar a aquecer a economia gaúcha e sair da recessão”, destacou Antônio.

O dirigente da CUT-RS frisou que com o índice reivindicado, descontada a inflação do período, se conseguiria manter o piso regional no patamar de 1,30% acima do salário mínimo nacional, um dos objetivos quando da criação do instrumento no governo Olívio Dutra (PT), em 2002.

As federações empresariais, que tiveram “a cara de pau” de defender reajuste zero para o mínimo regional, agora recuaram, mas propõem a reposição da inflação, descontando a previsão negativa do PIB do Rio Grande do Sul. Segundo a Fundação de Economia e Estatística (FEE), o PIB gaúcho caiu 3,4% no terceiro trimestre do ano. “Desta forma, o índice de reajuste ficaria em torno de 7%, abaixo da inflação. Arrocho salarial é inaceitável”, protestou Antônio.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Passo Fundo, Alcidir de Andrade, enfatizou que o reajuste do mínimo regional é fator de aquecimento da economia, pois “vai direto para o comércio local, estimula a indústria e toda a cadeia produtiva, gerando empregos e renda, aumentando a arrecadação do Estado e ajudando o Rio Grande a crescer”.

Alcidir

De olho na convocação extraordinária do Sartori

Segundo fontes da Assembleia Legislativa, o governador pretende fazer uma convocação extraordinária dos deputados nesta quarta-feira (23), no primeiro dia de recesso parlamentar.

Os deputados seriam convocados para votar um conjunto de projetos na próxima segunda e terça-feira, dias 28 e 29 de dezembro, entre as festas de Natal e Ano Novo. Seria um “pacote de maldades” e propostas polêmicas, como o PL 206/2015, que cria a Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual, um projeto que vem sendo repudiado ao longo do ano pela CUT-RS, Movimento Unificado dos Servidores Públicos e deputados da oposição ao governo Sartori.

O projeto de reajuste do mínimo regional também seria incluído para ser votado pelos deputados. “Estamos de olho na convocação extraordinária e, desde já, chamamos todos os sindicatos e federações a acompanharem as informações da CUT-RS e a não se desmobilizarem neste período de festas de final de ano”, ressaltou Antônio.

“Precisamos evitar qualquer tentativa de golpe do Sartori contra direitos dos trabalhadores e dos servidores públicos”, concluiu Antônio.

ADESIVO piso regional

 

 

Fonte: CUT-RS