Central Única dos Trabalhadores

CUT-RS e sindicatos entregam mais 60 cestas básicas para famílias carentes de Porto Alegre

20 novembro, sexta-feira, 2020 às 6:30 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Cestas 2111

Cestas 2111

A CUT-RS e sindicatos distribuíram mais 60 cestas básicas de alimentos orgânicos produzidos pela agricultura familiar, na manhã desta sexta-feira (20), Dia Nacional da Consciência Negra, para trabalhadores e trabalhadoras em situação de vulnerabilidade social, nos bairros Glória, Humaitá, Farrapos, Sarandi, Vila Cruzeiro, Partenon e Restinga, em Porto Alegre.

A ação é parte da campanha solidária, deflagrada logo após o início da pandemia do coronavírus, em parceria com o Sinpro-RS, SindBancários, Adufrgs Sindical, Semapi-RS, Senergisul, Sindiserf-RS e Sindipetro-RS. O objetivo é levar comida e dignidade às pessoas que perderam fontes de renda devido à crise econômica agravada pela Covid-19. 

Os alimentos foram trazidos pela Cooperativa Mista de Agricultores Familiares de Itati, Terra de Areia e Três Forquilhas (Coomafitt).

O presidente da CUT-RS, Amarildo Cenci, destaca que a população negra e periférica tem sido a mais atingida pelo coronavírus e que o poder público nada faz para combater a proliferação da doença. Por isso, a solidariedade do movimento sindical não pode parar.

Cestas 2111-1

“Nós sabemos que a grande maioria das pessoas que moram na periferia é negra. Além da Covid-19, o vírus da fome também vem crescendo. Sem renda, muitas famílias estão passando necessidades e não têm alimentos básicos, como leite, feijão e arroz para se alimentarem e terem imunidade suficiente para reagirem ao coronavírus, caso sejam contaminadas. O que estamos fazendo é levar dignidade para lugares onde as autoridades só colocam os pés para pedir votos a cada quatro anos”, critica Amarildo.

Ele salienta que “Bolsonaro está assistindo, com todo o conforto que seu cargo permite, ao drama vivido por milhões de brasileiros. A inflação em alta e o preço dos alimentos sobe cada vez mais. Enquanto isso, o presidente vira as costas para a falta de leitos em hospitais e para milhares de famílias que perderam entes queridos para a Covid-19”. 

Cestas 2111-2

Para Amarildo, “a situação é tão calamitosa que os cientistas afirmam que o Brasil já está passando pela segunda onda de contaminações, sem que nem ao menos sair da primeira onda de infecções. O povo quer a vacina, mas também quer emprego e renda. Do jeito que está, beiramos o caos social”, alerta.

“Temos 14,5 milhões de desempregados. São homens e mulheres que se viram como podem, fazendo bicos, trabalhando como catadores de materiais recicláveis, motoristas precarizados de aplicativos ou entregadores de bicicleta.  O desespero está aumentando e, se os governos nada fizerem, a população cobrará respostas do único jeito que sabe: protestando nas ruas”, concluiu o presidente da CUT-RS.

 

 

Fonte: CUT-RS