Central Única de Trabalhadores

CUT-RS e centrais pressionam deputados para votar reajuste do mínimo regional igual ao nacional

18 abril, quinta-feira, 2019 às 2:09 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Assembleia

 Assembleia

A CUT-RS e centrais sindicais estão cobrando a marcação de uma audiência com o presidente da Assembleia Legislativa do RS, deputado Luiz Augusto Lara (PTB), para propor a votação do projeto de lei que trata do salário mínimo regional de 2019. A data-base do chamado piso regional é 1º de fevereiro.

Os representantes dos trabalhadores gaúchos defendem a emenda apresentada pela bancada do PT, no último dia 5, que prevê o reajuste igual ao salário mínimo nacional, que foi de 4,61%. Com isso, a menor das cinco faixas salariais passaria de R$ 1.196,47 para R$ 1.251,65 e a maior subiria de R$ 1.516,26 para R$ 1.586,19.

O projeto enviado pelo governador Eduardo Leite (PSDB) estabelece um reajuste de 3,4%, que repõe somente a inflação de 2018. Além disso, tal projeto não foi encaminhado em regime de urgência, o que garantiria a votação no prazo de 30 dias pelos deputados. As centrais solicitaram uma audiência ao governador no último dia 29 de março, no Palácio Piratini, mas até agora nada foi agendado.

Centrais no Palácio (2)

Centrais sindicais solicitam audiência com governador Eduardo Leite (PSDB).

“Queremos dialogar com o deputado Lara, para que o projeto do mínimo regional seja colocado logo em pauta no plenário da Assembleia. Também pretendemos mostrar que a importância de aprovar a emenda que prevê o reajuste de 4,61%, a fim de evitar o achatamento deste poderoso instrumento de distribuição de renda e de estímulo para girar a roda da economia local”, afirma o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo.

O dirigente sindical lembra que s centrais haviam reivindicado inicialmente um reajuste de 8,43%, como forma de resgatar a diferença de 30% acima do mínimo nacional vigente entre 2002 e 2004, conforme estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

“Vamos também buscar o diálogo com todas as bancadas na Assembleia, para que essa emenda seja aprovada. Já orientamos os sindicatos e as federações, para que também conversem com os deputados, inclusive nas suas bases eleitorais. Não podemos permitir que o reajuste fique abaixo do mínimo nacional”, enfatizou Nespolo. “Reduzir salários é ruim para os trabalhadores e ainda pior para o aquecimento da economia gaúcha”.

Entrega da emenda

Protocolo da emenda do piso regional igual ao mínimo nacional na Assembleia Legislativa.

“Já estamos chegando ao final de abril, passados mais de dois meses e meio da data-base do mínimo regional, que beneficia cerca de 1,5 milhão de trabalhadores e trabalhadoras do campo e da cidade. Nada justifica essa demora. O governo e os deputados não podem ignorar os que recebem os menores salários no Estado”, ressalta o secretário de Relações de Trabalho da CUT-RS, Antonio Güntzel.

 

 

Fonte: CUT-RS