Central Única de Trabalhadores

CPERS – Valdete Moreira: Educação em Greve

6 outubro, sexta-feira, 2017 às 2:39 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

CPERS caminha

CPERS caminha

Trabalhadores em Educação da Rede Estadual respondem ao parcelamento e atraso de salário, à falta de reposição da inflação e ao pacote de maldades de Sartori com uma forte greve. Seria muito difícil pedir hoje que um desses trabalhadores não entrasse em greve. Trabalhadores que seguram os serviços do estado com um quadro e giz em escolas sucateadas e que estão sendo despejados do aluguel, com contas atrasadas nos mercados de bairros, sendo humilhados sem dinheiro para alimentação e remédio, endividados no Banrisul, o banco que empresta com juros o salário que o patrão lhes nega. O governo tenta há 22 meses jogar  no lixo a dignidade e o  respeito do educador,  mas os trabalhadores resistem defendendo aquilo que ninguém conseguiu e nem conseguirá  tirar.

Os alunos e a juventude estão apoiando porque não querem ver mais seu professor sendo humilhado, sabem que a luta ensina e educa e que não lutar seria uma contradição pedagógica, como ensinou Paulo Freire.  As comunidades escolares  estão se unindo cada vez mais porque essa luta é legítima e é de todos, mas principalmente porque o que está em jogo não é só a garantia de pagamento em dia dos salários,  mas a Educação Pública e a construção  de um mundo melhor com uma Escola Pública de qualidade e, para isso, tem que ter luta, solidariedade e educação em todos os espaços.

A sociedade está entendendo que o Governo Sartori é o inimigo do povo gaúcho e ele pode sim ser combatido, através de uma greve forte como a do Cpers Sindicato. Um exemplo de luta a ser seguido por todos os outros trabalhadores organizados em sindicatos estaduais. Chegou a hora de acabar com os charlatões que embriagam o povo com belas frases, de acabar com os golpistas que tem três ou quatro ideias gravadas na consciência do partido e exercem como atitude sagrada de um ideal entreguista um trabalho de desmonte e colapso de estado .

O momento é o da força que vem das ruas, das classes operárias, dos educandos e educadores, dos sindicatos organizados, dos homens e mulheres  e toda a  comunidade oprimida, que se  soma e diz um basta,  rompendo com este modelo de estado mínimo praticado pelo “meu partido é o Rio Grande/PMDB” e seus aliados golpistas.

Chegou a hora de apoiarmos uma investigação transparente nas contas do estado para cair por terra a grande mentira de crise propagada pelo governo e a  Grande Mídia, mostrando pra todos  que a decisão de cortar e parcelar salários, ameaçar com demissões e praticar perseguições aos trabalhadores, é uma escolha política para entregar o patrimônio dos gaúchos à iniciativa privada.

O Cpers Sindicato nunca se curvou diante de um governo e não será  agora que irá se curvar, no momento mais triste de nossa história, onde golpistas destroem nossa soberania e ameaçam a educação e o futuro de nossas crianças. A greve é um convite para que todos, pais, alunos e sociedade, repensemos nossos papéis e nossas atitudes, pois com elas demonstramos o compromisso com a educação de qualidade que queremos.

O educador não pode descuidar de sua missão de educar, nem desanimar diante dos desafios, nem deixar de educar as pessoas, através de seu exemplo diário de luta, e nossa luta hoje é nas ruas e espaços públicos.

 

 

 

Valdete Moreira é professora e diretora estadual do Cpers Sindicato

 

 

 

Fonte: Cpers Sindicato