Central Única dos Trabalhadores

CPERS lança a campanha “Sartori, pare de afundar a educação, a saúde e a segurança”

29 janeiro, sexta-feira, 2016 às 12:46 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

campanha-cpers-600x313

campanha-cpers-600x313

Nesta semana o CPERS/Sindicato começou a campanha, SARTORI, PARE DE AFUNDAR A EDUCAÇÃO, A SAÚDE E A SEGURANÇA, em outdoors distribuídos nas principais estradas do litoral gaúcho e na Região Metropolitana de Porto Alegre.

O objetivo da campanha é chamar a atenção da população e denunciar o descaso do governador, José Ivo Sartori, com os serviços públicos especialmente a EDUCAÇÃO, SAÚDE e SEGURANÇA, e com servidores públicos estaduais responsáveis para que a população gaúcha tenha acesso a esses serviços.

O material da campanha traz informações importantes sobre o primeiro ano de mandato do Sartori, que já provocou o verdadeiro caos em nosso Estado, através dos arrochos e parcelamentos dos salários dos servidores públicos estaduais, os cortes na EDUCAÇÃO, SAÚDE e SEGURANÇA e o aumento dos impostos.

Nossa luta é pela valorização e reconhecimento dos professores, funcionários de escola e todo o funcionalismo público estadual e por maiores investimentos na EDUCAÇÃO, SAÚDE E SEGURANÇA. Não vamos permitir que esse governo destrua o nosso Rio Grande do Sul com a sua política de diminuição do Estado, precarização e privatização dos serviços públicos.

A campanha proposta pelo CPERS expõe para toda a população os seguintes assuntos:

Os reajustes salariais para o governador Sartori e sua cúpula:

Governador e Vice: 46%

Deputados: 26,6%

Secretários: 64%

Servidores Públicos: 0%

Subiu os impostos:

ICMS, gasolina, telefone, alimentos, água e luz;

Prometeu e não cumpriu:

Sartori prometeu em sua campanha o diálogo, e o que fez foi somente atacar, debochar e retirar direitos dos servidores públicos;

Mostramos a saída para a crise:

O CPERS mostrou a saída para a crise, através do combate à sonegação de impostos, que somente no ano de 2015 deixou de arrecadar cerca de 7 bilhões para os cofres públicos.

 

Fonte: CPERS/Sindicato