Central Única de Trabalhadores

Correio do Povo – Juremir Machado da Silva: Onda pública

12 março, terça-feira, 2019 às 9:00 am

Comentários    Print Friendly and PDF

Juremir1

Juremir1

CP – O Brasil costuma andar dois passos atrás. No momento em que o planeta reestatiza, pensamos em privatizar tudo. Já se disse que por aqui as ideias estão sempre fora do lugar. Sempre chegam atrasadas. Há uma parte do que ocorre por aí escondida por nossos privatistas. Informação demais pode atrapalhar.

A Folha de S. Paulo publicou recentemente uma matéria incômoda para os adeptos do “privatiza que melhora”. Título: “Privatizar é ideal? 884 serviços caros e ruins foram reestatizados no mundo”. A Alemanha retomou para o controle público 348 serviços. A França, 152. Até os Estados Unidos da América “desprivatizaram” 67 atividades.

Por que essa onda de reestatização? Elementar, caro cidadão: privatizados, os serviços ficaram mais caros e piores. Em 2010, Londres interrompeu a PPP de expansão do metrô. Alegação: nas mãos do Estado (sociedade organizada) haveria mais agilidade. Foram gastos 310 milhões de libras para tirar do caminho o obstáculo privado.

Hamburgo, na Alemanha, pagou 500 milhões de euros para retomar o controle da energia local. Paris criou em 2008 uma empresa pública para administrar a distribuição de água controlada desde 1985 pela iniciativa privada. Em geral, as experiências de privatização de água, energia e saneamento fracassaram. Ficou pior.

Atlanta, nos Estados Unidos, acabou com a festa da privatização da água, concedida em 1999, já em 2003. Os dados são do TNI (Transnational Institute) e constam do relatório “Reconquistando os Serviços Públicos”.

A história é contada sempre da mesma maneira: os serviços públicos estão ruins; faz-se corpo mole para que eles piores; alardeia-se que com a privatização eles ficarão mais baratos e melhores; jura-se que todo mundo sairá ganhando; investe-se em campanhas de mídia; ataca-se o peso do Estado; hiperdimensiona-se o problema da corrupção; garante-se que privatizar é moderno e que a modernidade domina o mundo desenvolvido.

Aprovada a privatização, o cenário muda. A estrada não fica tão boa quanto foi prometido, a concessionária pede revisão de contrato, aditivos surgem do nada, os preços ficam acima do esperado e os serviços abaixo do combinado. O discurso, porém, continua: “privatiza que melhora”.

Este trecho da reportagem merece atenção: “Na ilha havaiana Kaua, em 2002, foram os moradores que formaram uma cooperativa (a Kauai Island Utility Cooperative) e compraram a companhia de energia da cidade, que estava à venda. A gestão é feita pela cooperativa sem fins lucrativos”. Isso é o Estado: a sociedade organizada em busca do melhor para ela. Estado só é Estado quando a sociedade que o criou deixa de controlá-lo e se acomoda.

Feita a leitura desse material a conclusão é uma só: o comunismo avança no planeta, inclusive nos Estados Unidos. Emparedado, o privatista de plantão recorre ao argumento de emergência: “A Alemanha pode reestatizar. É uma questão de cultura”. Interpretação do texto: o alemão teria no seu DNA uma capacidade de organização superior.

Vinte e sete cidades espanholas reestatizaram a distribuição de água até 2017. Se tivessem conversado com Paulo Guedes antes, estariam dois passos atrás.

 

 

Juremir Machado da Silva é jornalista, professor, escritor, colunista do Correio do Povo e apresentador da Rádio Guaíba.

 

 

Fonte: Correio do Povo (CP)