Central Única dos Trabalhadores

Conselho Federal de Enfermagem pede bloqueio nacional para evitar colapso sanitário

4 março, quinta-feira, 2021 às 9:55 am

Comentários    Print Friendly and PDF

Enfermeiros em ação

Enfermeiros em ação

Um dia após o Brasil registrar o maior número de mortes por covid-19 desde o início da pandemia, o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) divulgou comunicado sobre a necessidade de "bloqueio total das atividades não essenciais em todo o território nacional" e ressalta que "somente a vacinação em massa, aliada às medidas de biossegurança, poderão conter o avanço da pandemia".

"São necessárias medidas urgentes e articuladas, entre a União Federal, Estados e Municípios, para evitar o colapso sanitário, que já se evidencia em várias cidades brasileiras", diz o texto.

O Cofen ressalta que compete ao governo federal "intensificar esforços para a aquisição de vacinas e insumos necessários para a aplicação, com apoio dos entes federativos".

O conselho também reforça a necessidade de extensão do auxilio emergencial para a população de baixa renda, e adoção de medidas econômicas para a manutenção de empregos e a sustentabilidade de pequenas e médias empresas.

"É necessário que o Ministério da Saúde realize campanha informativa permanente, com medidas de prevenção e controle da covid-19, baseadas em evidências científicas".

O Cofen também pede a ampliação dos leitos em unidades de terapia intensiva, a contratação de recursos humanos e aquisição de insumos que permitam a assistência adequada nas unidades de saúde. "É fundamental a testagem em massa, para melhor controle das transmissões, e a redução da circulação de pessoas". 

Vacinas

O Ministério da Saúde afirmou nesta quarta-feira (3) que “já possui contratos alinhados” para a compra da vacina russa Sputnik V e anunciou que serão disponibilizadas em março mais 4 milhões de doses da vacina AstraZeneca/Oxford produzidas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

A pasta também informa que assinou o contrato com o laboratório Precisa Medicamentos/Bharat Biotech, para compra de 20 milhões de doses daa vacina indiana Covaxin. Desse total, 8 milhões já devem estar disponíveis para o Programa Nacional de Imunizações (PNI) ainda este mês.

Leia a íntegra da nota dos enfermeiros do Brasil!

NOTA DOS CONSELHOS DE ENFERMAGEM

É necessário evitar o colapso sanitário!

O Brasil enfrenta um agravamento sem precedentes da pandemia de Covid-19, provocado pelo relaxamento das medidas de distanciamento social e pela circulação de novas cepas do vírus. Alcançamos 1.726 mortes em 24h, o mais alto índice desde o início da pandemia. São necessárias medidas urgentes e articuladas, entre a União Federal, Estados e Municípios, para evitar o colapso sanitário, que já se evidencia em várias cidades brasileiras.

Diante da transmissão descontrolada na atual fase da pandemia, o Sistema Cofen/Conselhos Regionais de Enfermagem alerta sobre a necessidade de bloqueio total das atividades não essenciais em todo o território nacional, em ação coordenada pela União Federal.

De acordo com o Art. 198 da Constituição Federal de 1988, a Saúde é uma responsabilidade compartilhada pela União, Estados e Municípios. Destacamos a postura tímida do Ministério da Saúde no que tange ao cumprimento da coordenação nacional do Sistema de Saúde, em obediência ao aludido dispositivo constitucional e Lei Orgânica da Saúde (Lei 8080/90).

Compete ao governo federal intensificar esforços para a aquisição de vacinas e insumos necessários para a aplicação, com apoio dos entes federativos. O Brasil conta com um dos mais amplos e capilarizados programas de imunizações do mundo e com uma cadeia produtiva de biofármacos. É urgente mobilizar estes recursos para vacinação do maior número de brasileiros. Somente a vacinação em massa, aliada às medidas de biossegurança, poderão conter o avanço da pandemia.

Ressaltamos a necessidade de extensão do auxilio emergencial para a população de baixa renda, e de adoção de medidas econômicas para a manutenção de empregos e a sustentabilidade de pequenas e médias empresas. É necessário que o Ministério da Saúde realize campanha informativa permanente, com medidas de prevenção e controle da Covid-19, baseadas em evidências científicas.

É urgente a ampliação dos leitos em unidades de terapia intensiva, a contratação de recursos humanos e aquisição de insumos que permitam a assistência adequada nas unidades de saúde. É fundamental a testagem em massa, para melhor controle das transmissões, e a redução da circulação de pessoas. Com a persistência da tragédia humanitária, não teremos só a perda de centenas de milhares de vidas humanas, mais também a insolvência da economia. O colapso sanitário também tem repercussões econômicas e pode agravar a crise que se alega evitar.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM – COFEN

CONSELHOS REGIONAIS DE ENFERMAGEM – COREN

 

Fonte: CUT-RS com Brasil de Fato e Cofen