Central Única dos Trabalhadores

Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa aprova audiência pública sobre o zika vírus

17 fevereiro, quarta-feira, 2016 às 10:52 am

Comentários    Print Friendly and PDF

Tarcisio

Tarcisio

A Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa aprovou nesta quarta-feira (17), por unanimidade, requerimento apresentado pelo deputado estadual Tarcísio Zimmermann (PT) para realização de audiência pública sobre os riscos da contaminação pelos vírus da dengue, chikungunya e zika, transmitidos pelo Aedes Aegypti.

“A situação que vivemos hoje no Brasil é de uma gravidade inusitada na área da saúde e o mais curioso é que a prevenção é algo muito simples, porque o mosquito transmissor dessas doenças se prolifera em águas limpas, depositadas de forma inadequada pelas pessoas”, salienta.

Para o deputado, é importante a realização dessa audiência para que os deputados compreendam os grandes processos de mobilização e todas as polêmicas que envolvem essa situação, inclusive, do ponto de vista técnico. Conforme o requerimento aprovado, devem ser convidados para o debate o secretário de Saúde do Rio Grande do Sul, João Gabbardo, a coordenadora do Centro Estadual de Vigilância em Saúde, Denise Sarti, e a coordenação do Programa Estadual de Vigilância do Aedes aegypti, além de representantes da Fiocruz, da Associação Gaúcha de Municípios, da Famurs, do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde e do Conselho Estadual de Saúde, entre outras entidades e demais interessados no tema.

PROJETO DE LEI

O deputado Tarcísio Zimmermann também apresentou projeto de lei sobre as normas de controle e prevenção para evitar a proliferação do Aedes aegypti. Pela proposta, além do esforço de conscientização, ficam impostas sanções aos cidadãos que, por omissão, descuido ou falta de consciência em relação ao coletivo, colocam em risco a saúde e a vida.

“As mortes, as deficiências registradas em recém-nascidos, o sofrimento das famílias e o medo imposto às gestantes são dramas inaceitáveis. Da mesma forma, é inaceitável que recursos sempre escassos, que poderiam melhorar a saúde da população, tenham que ser dispendidos neste combate, ainda mais quando todos sabemos que basta a observância por todos de normas sanitárias acessíveis e simples para acabar com o mosquito transmissor”, reforça o deputado.

 

Fonte: Assembleia Legislativa